PRIMEIRA VIDA

DE SÃO FRANCISCO

Tomás de Celano

parte primeira

PRÓLOGO

Em nome do Senhor. Amém. Começa o prólogo à vida do bem-aventurado Francisco

1. Quero contar a vida e os feitos do nosso bem-aventurado pai Francisco. Quero fazê-lo com devoção, guiado pela verdade e em ordem, porque ninguém se lembra completamente de tudo que ele fez e ensinou. Procurei apresentar pelo menos o que ouvi de sua própria boca, ou soube por testemunhas de confiança. Fiz isso por ordem do glorioso Papa Gregório, conforme consegui, embora em linguagem simples. Oxalá tenha eu aprendido as lições daquele que sempre evitou a linguagem difícil e desconheceu os rodeios de palavras!

2. Dividi em três pequenos livros tudo que consegui ajuntar sobre o santo homem, distribuindo a matéria em capítulos, para que a mudança dos tempos não confundisse a ordem dos fatos e não pusesse a verdade em dúvida.

O primeiro livro segue a ordem cronológica, é dedicado principalmente à pureza de sua vida, aos seus santos costumes e edificantes exemplos. Aí foram colocados só alguns dos muitos milagres que o Senhor Deus se dignou operar por meio dele enquanto viveu nesta terra.

O segundo livro conta os acontecimentos desde o penúltimo ano de sua vida até sua morte bendita.

O terceiro contém uma porção de milagres - embora não conte a maior parte - que o gloriosíssimo santo tem operado na terra agora que está reinando com Cristo nos céus. Também fala da devoção, da honra, do louvor e da glória que lhe tributaram o glorioso Papa Gregório, e com ele todos os cardeais da santa Igreja Romana, devotissimamente, quando o canonizaram.

Graças a Deus onipotente, que sempre se mostra admirável e bondoso em seus santos.

Fim do prólogo

PRIMEIRO LIVRO

Para louvor e glória de Deus todo-poderoso Pai, Filho e Espírito Santo. Amém

CAPITULO 1

Conduta e mentalidade mundanas de Francisco

1. Vivia na cidade de Assis, na região do vale de Espoleto, um homem chamado Francisco. Desde os primeiros anos foi criado pelos pais insensatamente, ao sabor das vaidades do mundo. Imitou-lhes por muito tempo o triste procedimento e tornou-se ainda mais frívolo e vaidoso.

Essa mentalidade péssima difundiu-se por toda parte, entre os que se dizem cristãos, como se fosse lei, confirmada e preceituada por todos que procuram educar seus filhos desde o berço com muita moleza e dissolução. Apenas nascidas, mal começam a balbuciar e a falar, as crianças aprendem, por gestos e palavras, coisas vergonhosas e verdadeiramente abomináveis. Na idade de abandonarem o seio materno, são levadas não só a falar mas também a fazer coisas indecentes e lascivas. E nenhuma delas ousa, nessa idade, comportar-se honestamente, pois isso as poderia expor a castigos severos. Bem disse o poeta pagão: "Como crescemos no meio das depravações de nossos pais, desde a infância acompanham-nos todos os males".

Este testemunho é bem verdadeiro, pois quanto mais perniciosa é para as crianças a condescendência dos pais, tanto mais elas se sentem felizes em lhes obedecer. Quando crescem mais um pouco, caem por si mesmas em práticas cada vez piores. Uma árvore de raízes más só pode ser má, e o que foi pervertido uma vez dificilmente poderá ser endireitado.

Quando chegam à adolescência, que poderão ser esses jovens? Então, no turbilhão de toda sorte de prazeres, sendo-lhes permitido fazer tudo que lhes apraz, entregam-se de corpo e alma aos vícios. Assim, escravos voluntários do pecado, fazem de seus membros instrumentos de iniquidade. Sem nada conservar da religiosidade cristã em sua vida e em seus costumes, defendem-se apenas com o nome de cristãos. Esses infelizes muitas vezes até fingem ter feito coisas piores do que de fato fizeram, para não passarem por mais vis na medida em que forem mais inocentes.

2. Nesses tristes princípios foi educado desde a infância o homem que hoje veneramos como santo, porque de fato é santo. Neles perdeu e consumiu miseravelmente o seu tempo quase até os vinte e cinco anos. Pior ainda: superou os jovens da sua idade nas frivolidades e se apresentava generosamente como um incitador para o mal e um rival em loucuras. Todos o admiravam e ele procurava sobrepujar aos outros no fausto da vanglória, nos jogos, nos passatempos, nas risadas e nas conversas fúteis, nas canções e nas roupas delicadas e luxuosas. Na verdade, era muito rico, mas não avarento, antes pródigo; não ávido de dinheiro, mas gastador; negociante esperto, mas esbanjador insensato. Mas era também muito humano, muito jeitoso e afável, embora para seu próprio mal. Porque era principalmente por isso que muitos o seguiam, gente que fazia o mal e incitava para o crime. Cercado por bandos de maus, adiantava-se altaneiro e magnânimo, caminhando pelas praças de Babilônia até que Deus o olhou do céu. Por causa do seu nome, afastou para longe dele o seu furor e pôs-lhe um freio à boca com o seu louvor, para que não perecesse de vez. Desde então esteve sobre ele a mão do Senhor e a destra do Altíssimo o transformou para que, por seu intermédio, fosse concedida aos pecadores a confiança na obtenção da graça e desse modo se tornasse um exemplo de conversão para Deus diante de todos.

CAPITULO 2

O Senhor transforma seu coração por meio de uma doença e de um sonho

3. De fato, quando ele ainda vivia no pecado com paixão juvenil, arrastado pelas paixões da idade e incapaz de controlar- se, poderia sucumbir ao veneno da antiga serpente. Mas a vigança, ou melhor, a misericórdia divina, subitamente desperta sua consciência através de uma angústia na alma e de uma enfermidade no corpo, conforme as palavras do profeta: "Hei de barrar teu caminho com espinhos e cercá-lo de muralhas". Prostrado por longa enfermidade, que é o que merece a teimosia dos homens que não se emendam a não ser com castigo, começou a refletir consigo mesmo de maneira diferente.

Já um pouco melhor, e apoiado em um bastão, começou a andar pela casa para recuperar as forças. Certo dia, saiu à rua e começou a observar com curiosidade a região que o cercava. Mas nem a beleza dos campos, nem o encanto das vinhedos, nem coisa alguma agradável de se ver conseguia satisfazê-lo. Ficou surpreso com sua mudança repentina e começou a julgar loucos os que amavam essas coisas.

4. Desde esse dia, começou a ter-se em menos conta e a desprezar as coisas que antes tinha admirado e amado. Mas não inteiramente e de verdade, porque ainda não estava livre das cadeias das vaidades, nem tinha sacudido do pescoço o jugo da perversa servidão. É muito difícil deixar as coisas com que alguém se acostumou e não é fácil libertar-se do que uma vez se aceitou. Mesmo depois de longa abstenção, o espírito volta ao que tinha aprendido e o costume geralmente transforma o vício em segunda natureza.

Francisco ainda tentou fugir da mão de Deus e, quase esquecido da correção paterna, diante de uma oportunidade, pensou nas coisas que são do mundo e ignorou o conselho de Deus, prometendo a si mesmo o máximo da glória mundana e da vaidade. Pois um nobre de Assis não mediu despesas para se armar militarmente e, inchado pela glória vã, decidiu atacar a Apúlia para ganhar mais dinheiro e honra. Sabendo disso, Francisco, que era leviano e não pouco audaz, alistou-se para ir com ele, porque era menos nobre mas de ambição maior, mais pobre mas também mais generoso.

5. Todo entregue a esse plano e pensando com ardor na partida, certa noite,aquele que o tinha tocado com a vara da justiça visitou-o em sonhos, com a doçura da sua graça. E o seduziu e exaltou pelo fastígio da glória, porque tinha sede de glória.

Pareceu-lhe ver a casa toda cheia de armas: selas, escudos, lanças e outros aparatos. Muito alegre, admirava-se em silêncio, pensando no que seria aquilo. Não estava acostumado a ver essas coisas em sua casa, mas apenas pilhas de fazendas para vender. E ainda estava aturdido com o acontecimento repentino, quando lhe foi dito que aquelas armas seriam suas e de seus soldados. Despertando de manhã, levantou-se alegre e, julgando a visão um presságio de grande prosperidade, ficou certo de que sua excursão à Apúlia seria um êxito.

Pois não sabia o que dizia e ainda não entendera nada do dom que lhe fora feito pelo céu. Em um ponto, poderia ter percebido que sua interpretação do sonho não era verdadeira porque, embora contivesse muita semelhança com coisas já acontecidas, dessa vez seu espírito não estava tão feliz como de costume. Precisava até fazer algum esforço para executar o que planejara e levar a cabo o seu plano.

É muito interessante esta menção de armas logo aqui no começo. Muito oportunamente se oferecem armas ao soldado que vai combater o forte armado e, como um outro Davi em nome do Senhor dos exércitos, há de libertar Israel do antigo opróbrio dos inimigos.

CAPITULO 3

Transformado interiormente, mas não exteriormente, fala alegoricamente de um tesouro encontrado e de uma noiva

6. Já mudado, mas só espiritual e não exteriormente, não quis mais ir para a Apúlia e procurou orientar sua vontade pela vontade de Deus. Por isso subtraiu-se aos poucos do bulício do mundo e dos negócios, querendo imitar Jesus Cristo em seu interior. Como um negociante prudente, escondeu aos olhos dos enganadores a pérola encontrada e, ocultamente, procurou vender tudo para poder adquiri-la.

Tinha predileção por um jovem de Assis, porque era de sua idade e uma amizade plenamente compartilhada permitia contar-lhe seus segredos. Levava-o muitas vezes a lugares afastados e aptos para os seus planos, garantindo que tinha encontrado um tesouro precioso e enorme. Alegre e curioso, o amigo ia de boa vontade com ele todas as vezes que era chamado.

Havia uma gruta perto da cidade, à qual iam com freqüência para falar do tesouro. O homem de Deus, já santificado pelo desejo de ser santo, entrava na gruta enquanto o companheiro ficava esperando do lado de fora e, tomado pelo novo e singular espírito, orava aoPai na solidão. Esforçava-se para que ninguém soubesse o que fazia lá dentro, para que o segredo fosse causa de maior bem, e buscava só a Deus em seu santo propósito. Orava com devoção para que Deus eterno e verdadeiro dirigisse seu caminho e o ensinasse a cumprir sua vontade. Sustentava em sua alma uma luta violenta e não conseguia parar enquanto não realizasse o que tinha resolvido em seu coração. Pensamentos muito variados entrecruzavam-se nele, importunando-o e perturbando-o duramente.

Ardia interiormente pela chama divina e não conseguia esconder o fervor de sua alma. Doía-lhe ter pecado tão gravemente e ofendido os olhos da majestade de Deus. As vaidades do passado ou do presente já não o agradavam, mas ainda não estava plenamente certo de poder resistir-lhes no futuro. Por isso, quando voltava para junto do companheiro, estava tão cansado que nem parecia o mesmo que tinha entrado.

7. Certo dia, tendo invocadomais plenamente a misericórdia divina, o Senhor lhe mostrou o que tinha que fazer. Ficou tão cheio de alegria, que não cabia mais em si e, mesmo sem querer, deixou escapar alguma coisa aos ouvidos dos outros. Mas embora não pudesse calar-se por ser tão grande o amor que lhe fora inspirado, era com cautela que comunicava alguma coisa, e falando em parábolas. Assim como falara ao amigo íntimo de um tesouro escondido, como dissemos, aos outros procurava falar por analogias. Dizia que não queria ir para a Apúlia, mas prometia que haveria de fazer coisas nobres e estupendas em sua própria terra. Os outros acharam que ele ia se casar e perguntaram: "Você vai se casar, Francisco?" Respondeu-lhes: "Vou me casar com uma noiva nobre e bonita como vocês nunca viram, que ganha das outras em beleza e supera a todas em sabedoria".

De fato, a esposa imaculada do Senhor era a verdadeira religião, que ele abraçara, e o tesouro escondido era o reino dos céus, que buscou com tanto entusiasmo. Pois era forçoso que se cumprisse plenamente a vocação evangélica naquele que haveria de ser ministro fiel e autêntico do Evangelho.

CAPITULO 4

Vende tudo e despreza o dinheiro recebido

8. Quando chegou a hora, o servo do Altíssimo, assim preparado e confirmado pelo Espírito Santo, seguiu o ímpeto sagrado do espírito, pelo qual se chega aos bens melhores, desprezando os que passam. De fato, nem podia esperar mais: uma doença mortal estendia por toda parte seus efeitos nefastos e paralisava tantas pessoas, que qualquer demora do médico podia ser fatal para elas.

Levantou-se, armado do sinal da cruz e, tendo preparado um cavalo, montou e, levando consigo peças de escarlate para vender, partiu veloz para Foligno. Tendo vendido como de costume tudo que levara, o feliz mercador deixou até o cavalo que montara, depois de receber o preço que valia.

De volta, livre da carga, vinha pensando com visão religiosa no que fazer com o dinheiro. Admirável e repentinamente convertido para as coisas de Deus, achou que era pesado demais carregar aquela soma por uma hora que fosse. Considerando simples areia todo aquele pagamento, apressou-se em se desfazer dela. Vindo na direção de Assis, encontrou à beira do caminho uma igreja erguida havia muito tempo em honra de São Damião e agora ameaçando ruina por sua muita antiguidade.

9. Chegando a ela, o novo soldado de Cristo, comovido por tão urgente necessidade, entrou cheio de temor e de reverência. Encontrando lá um sacerdote pobre, beijou suas mãos consagradas cheio de fé, deu-lhe o dinheiro que levava e contou direitinho o que queria. Espantado, e admirando tão incrível e repentina conversão, o padre não quis acreditar. Com medo de ser enganado, não aceitou o dinheiro oferecido: podia dizer que o tinha visto, um dia antes, vivendo regaladamente entre parentes e conhecidos e mostrando mais loucura que os outros. Mas o jovem insistia teimosamente, e com palavras ardentes procurava convencer o sacerdote que, pelo amor de Deus, lhe permitisse viver em sua companhia.

Afinal o padre concordou em que ficasse, mas, por medo de seus pais, não recebeu o dinheiro, que Francisco, verdadeiro desprezador de todas as riquezas, jogou a uma janela, tratando-o como se fosse pó. Pois desejava possuir a sabedoria que é melhor do que o ouro e adquirir a prudência que é mais preciosa do que a prata.

CAPITULO 5

Perseguido e aprisionado pelo pai

10. Enquanto o servo de Deus Altíssimo estava nesse lugar, seu pai o buscava por todos os lados, querendo saber que fim levara o filho. Quando entendeu como ele estava vivendo naquele local, teve o coração ferido de íntima dor, e ficou muito perturbado com a súbita mudança. Convocou amigos e vizinhos e correu o mais depressa que pôde para onde morava o servo de Deus. Francisco, que era um atleta de Cristo ainda novato, sabendo das ameaças dos que o perseguiam e pressentindo sua chegada, não quis dar oportunidade à raiva e se meteu numa cova secreta que tinha preparado para isso.

Esteve um mês nesse esconderijo, que ficava na casa e talvez só fosse conhecido por um amigo, mal ousando sair para as necessidades. Comia algum alimento, quando o recebia, no fundo da cova. Todo auxílio lhe era levado em segredo. Banhado em lágrimas, rezava continuamente para que Deus o livrasse da mão dos que o perseguiam e lhe permitisse cumprir seus piedosos propósitos. Jejuando e chorando, implorava a clemência do Salvador e, desconfiando da própria capacidade, punha em Deus todo o seu pensamento. Mesmo dentro do buraco e na escuridão, gozava de uma alegria indizível, que nunca tinha experimentado. Cheio de ardor, saiu do esconderijo e se apresentou às injúrias dos que o perseguiam.

11. Levantou-se sem vacilar, com alegria e presteza, ostentando o escudo da fé para combater pelo Senhor e munido com as armas de uma grande confiança. Tomou o caminho da cidade e, animado pelo entusiasmo divino, começou a acusar-se por sua demora e covardia.

Vendo-o, todos os que o conheciam e confrontavam o presente com o passado passaram a insultá-lo vergonhosamente, chamando-o de louco e demente, e lhe atiraram pedras e lama das praças. Viam-no completamente transformado em seus hábitos e muito acabado pela mortificação, e atribuíam seu comportamento à fraqueza e à loucura. Mas, como a paciência vale mais que a arrogância, o servo de Deus se fazia surdo a tudo isso e, sem se ofender ou abater, dava graças a Deus por todas as coisas.

Pois é em vão que o iníquo persegue quem tem ideais elevados: quanto mais for ultrajado, maior sua vitória. O coração generoso, disse um autor, torna-se mais forte com o desprezo.

12. Mas o tumulto pelas praças e ruas da cidade durou tanto, ouvindo-se em toda parte o clamor dos que o insultavam, que, entre os muitos a cujos ouvidos chegou, estava também seu pai. Ouvindo o nome do filho, e que estava sendo comprometido nesse tipo de conversa por seus concidadãos, levantou-se imediatamente, não para libertá-lo mas para perdê-lo. Sem consideração alguma, partiu como um lobo para cima da ovelha e, olhando-o com truculência, arrastou-o com modos indignos e afrontosos para casa. Sem qualquer compaixão, prendeu-o por muitos dias em um lugar escuro e, querendo dobrá-lo para seu modo de ver, agiu primeiro com palavras e depois com chicotadas e algemas.

Com isso tudo, o próprio Francisco ficou ainda mais pronto e decidido a seguir seu santo propósito, e sem se convencer com as palavras, nem se cansar da cadeia, não perdeu a paciência. Não são castigos e algemas que vão mudar a maneira de pensar ou de agir, ou afastar de Cristo aquele que aprendeu que deve se alegrar nas tribulações. Não treme diante de um dilúvio de muitas águas quem, na hora do apêrto, se refugia no Filho de Deus, o qual, para que nossas tribulações não nos pareçam insuportáveis, sempre mostra que já passou por coisas piores.

CAPITULO 6

É libertado por sua mãe. Despoja-se da roupa diante do bispo de Assis

13. Aconteceu que seu pai precisou ausentar-se, a negócios, por algum tempo, deixando o homem de Deus preso no calabouço. A mãe, que ficou sozinha com ele em casa, e não aprovava o procedimento do marido, dirigiu-se ao filho com palavras ternas. Mas, vendo que não conseguia fazê-lo mudar de opinião, sentiu seu coração materno se enternecer e, soltando as correntes, deixou-o sair.Ele deu graças a Deus e voltou depressa para o lugar onde estivera antes. Provado pelas tentações, gozava agora de maior liberdade e, depois de tantas lutas, parecia mais sereno. As dificuldades lhe deram maior segurança, e começou a andar mais confiante e livre por toda parte.

Nesse meio tempo, o pai estava de volta. Não o tendo encontrado, acumulando seus desatinos, armou uma gritaria com sua mulher. Depois, irado e ameaçador, correu em busca do filho, decidido a expulsá-lo da região, se não conseguisse traze-lo de volta. Mas, como o temor de Deus é o arrimo da confiança, logo que o filho da graça viu que seu pai carnal estava chegando, veio seguro, alegre e espontaneamente ao seu encontro, dizendo claramente que, para ele, cárceres e castigos não queriam dizer nada. Até garantiu que, por amor de Cristo, estava disposto a suportar qualquer mal.

14. Vendo que não poderia afastá-lo do caminho em que se metera, o pai cuidou apenas de reaver o dinheiro. O homem de Deus tinha querido gastá-lo todo para o sustento dos pobres e na construção daquele lugar mas, como não lhe tinha amor, não podia sofrer decepção alguma, nem se perturbou com a perda de um bem a que não tinha apego. Quando achou o dinheiro que ele, desprezador por excelência dos bens terrenos, ávido demais das riquezas celestes, tinha jogado a uma janela como lixo, acalmou-se um bocado o furor do pai irado. A recuperação foi como um refrigério para sua sede de avareza.

Mais tarde, apresentou-o ao bispo da cidade, para que, renunciando em suas mãos à herança, devolvesse tudo que tinha. Ele não se recusou. Até se apressou alegremente a fazer o que pediam.

15. Diante do bispo, não se demorou e nada o deteve: sem dizer nem esperar palavra, despiu e jogou suas roupas, devolvendo-as ao pai. Não guardou nenhuma peça, ficou completamente nu diante de todos. O bispo, compreendendo sua atitude e admirando muito seu fervor e constância, levantou-se e o acolheu em seus braços, envolvendo-o no manto. Compreendeu claramente que era uma disposição divina e percebeu que os gestos do homem de Deus, que estava presenciando, encerravam algum mistério. Tornou-se, desde então, seu protetor, animando-o, confortando-o e abraçando-o com caridade.

É aqui que o nu luta com o adversário nu e, desprezando as coisas que são do mundo, aspira apenas à justiça de Deus. Foi assim que Francisco tratou de desprezar a própria vida, deixando de lado toda solicitude mundana, para encontrar como um pobre a paz no caminho que lhe fora aberto: só a parede da carne separava-o ainda da visão celeste.

CAPITULO 7

Assaltado por ladrões, é jogado na neve. Servidor dos leprosos

16. Vestido de andrajos, ele que em outros tempos andara de escarlate, e cantando os louvores de Deus em francês através de um bosque, foi asssaltado por ladrões. Perguntaram-lhe brutalmente quem era, e ele respondeu forte e confiante: "Sou um arauto do grande Rei! Que é que vocês têm com isso?" Bateram nele e o jogaram numa fossa cheia de neve, dizendo: "Fica aí, pobre arauto de Deus". Quando se afastaram, revirou-se na fossa e conseguiu sair, sacudindo a neve. Com alegria redobrada, começou a cantar em voz alta pelos bosques os louvores do Criador de tudo.

Chegando a um mosteiro, passou muitos dias na cozinha como servente, vestido apenas com uma túnica vil. Quisera saciar-se com um pouco de caldo, mas ninguém teve pena dele e não conseguiu sequer alguma roupa velha. Saiu dali, não levado pela raiva mas pela necessidade, e foi para a cidade de Gúbio, onde conseguiu uma túnica com um de seus velhos amigos.

Algum tempo depois, quando a fama do homem de Deus cresceu e o seu nome se espalhou no meio do povo, o prior daquele mosteiro, lembrando-se do que fora feito para Francisco e se arrependendo, procurou-o e pediu-lhe perdão por amor de Deus em seu nome e no dos monges.

17. Depois disso, amante santo de toda humildade, transferiu-se para um leprosário. Vivia com os leprosos, servindo diligentemente a todos por amor de Deus. Lavava-lhes qualquer podridão dos corpos e limpava até o pus de suas chagas, como disse no Testamento: "Como estivesse ainda em pecado, parecia-me deveras insuportável olhar para leprosos, mas o Senhor me conduziu para o meio deles e eu tive misericórdia com eles".

Essa visão lhe era tão insuportável que, em suas próprias palavras, no tempo de sua vida mundana, tapava o nariz só de ver suas cabanas a duas milhas de distância. Mas, eis que um dia, quando, por graça e força do Altíssimo, ainda vivia como secular mas já tinha começado a pensar nas coisas santas e úteis, encontrou-se com um leproso e, superando-se, chegou e o beijou. A partir de então, foi ficando cada dia mais humilde até conseguir vencer a si mesmo, por misericórdia do Redentor.

Ajudava também os outros pobres, mesmo quando ainda era secular e seguia o espírito do mundo, estendendo sua mão misericordiosa para os que não tinham nada e mostrando compassivo afeto para com os aflitos. Houve um dia em que, contra seu costume, porque era muito bem educado, tratou mal um pobre que lhe pedia esmola. Mas logo, arrependido, começou a dizer consigo mesmo que era grande ofensa e vergonha negar a quem estivesse pedindo no nome de tão grande Rei, o que quisesse. Resolveu que jamais negaria a quem lhe pedisse em nome de Deus o que estivesse ao seu alcance. E o cumpriu com muita diligência, até oferecer totalmente a si mesmo, fazendo-se antes um cumpridor que um mestre do Evangelho: "Dá a quem te pede e não te desvies daquele que te pedir emprestado".

CAPITULO 8

Restauração da igreja de São Damião,- A vida das religiosas que ali moravam

18. A primeira obra que o bem-aventurado Francisco empreendeu depois que se livrou de seu pai terreno foi edificar uma casa para Deus. Mas não tentou construí-la desde o começo: consertou o que era velho, reparou o que era antigo. Não desfez os alicerces mas edificou sobre eles, reservando essa prerrogativa, mesmo sem pensar, ao Cristo: ninguém pode pôr outro fundamento senão o que foi posto: Cristo Jesus.

Voltou pois ao lugar em que, como dissemos, fora construída antigamente uma igreja de São Damião. Com a graça do Altíssimo, reparou-a cuidadosamente em pouco tempo.

Foi esse o lugar feliz e abençoado em que teve auspicioso início a família religiosa e nobre Ordem das Senhoras Pobres e santas virgens, quase seis anos depois da conversão do bem-aventurado Francisco e por seu intermédio. Nela estabeleceu-se Clara, natural de Assis, como pedra preciosa e inabalável, alicerce para as outras pedras que haveriam de se sobrepor.

Pois já tinha começado a existir a Ordem dos Frades quando essa senhora foi convertida para Deus pelos conselhos do santo homem, servindo assim de estímulo e modelo para muitas outras. Foi nobre de nascimento e muito mais pela graça. Foi virgem no corpo e puríssima no coração; jovem em idade mas amadurecida no espírito. Firme na decisão e ardentíssima no amor de Deus. Rica em sabedoria, sobressaiu na humildade. Foi Clara de nome, mais clara por sua vida e claríssima em suas virtudes.

19. Sobre ela se ergueu o nobre edifício de preciosíssimas pérolas, cujo louvor não cabe aos homens mas a Deus. Porque não conseguimos compreendê-la com nossa inteligência estreita nem apresentá-la em pobres palavras.

Antes de tudo, elas possuem a virtude da mútua e constante caridade, unindo a tal pontosuas vontades que, vivendo em número de quarenta ou cinqüenta em um mesmo lugar, o mesmo querer e não querer parece fazer de todas um só espírito. Brilha também em cada uma a jóia da humildade, que conserva os dons recebidos do céu e lhes merece outras virtudes. O lírio da virgindade e da pureza perfuma-as todas, a ponto de esquecerem os pensamentos terrenos e desejarem apenas meditar nos celestiais. Essa fragrância acende em seus corações tão grande amor pelo Esposo eterno, que a sinceridade desse afeto sagrado apaga toda saudade da vida passada. Distinguem-se a tal ponto pelo título da mais alta pobreza que quase nunca se permitem satisfazer as necessidades extremas de comer e vestir.

20. Adquiriram a graça especial da mortificação e do silêncio, a ponto de não precisarem esforçar-se para coibir os sentidos e refrear a língua. Algumas delas já se desacostumaram tanto de falar que, quando precisam, mal conseguem expressar-se de maneira correta.

Em tudo são adornadas pela virtude da paciência, de modo que nenhuma adversidade ou moléstia chega a perturbá-las ou alterá- las. Afinal, chegaram a tal nível de contemplação, que nela aprendem tudo o que devem fazer ou deixar de fazer e têm a felicidade de saber deixar-se elevar para Deus, dedicando a noite e o dia aos louvores divinos e à oração. Digne-se o eterno Deus, com sua santa graça, dar conclusão ainda mais santa a esse santo começo.

Baste por enquanto isso que dissemos sobre as virgens consagradas ao Senhor, devotas servas de Cristo, pois sua vida admirável e a gloriosa instituição que receberam do Papa Gregório, quando ainda era bispo de Ostia, pedem um tempo especial e uma obra à parte.

CAPITULO 9

Francisco muda o hábito e repara a igreja de Santa Maria da Porciúncula. Tendo ouvido o Evangelho, abandona tudo.- Imagina e faz o hábito que os frades usam

21. Depois que o santo de Deus trocou de hábito e acabou de reparar a mencionada igreja, mudou-se para outro lugar próximo da cidade de Assis. Aí começou a reedificar outra igreja, abandonada e quase destruída, e desde que pôs mãos à obra não parou enquanto não terminou tudo.

Dali passou a outro lugar, chamado Porciúncula, onde havia uma antiga igreja de Nossa Senhora Mãe de Deus, mas estava abandonada e nesse tempo não era cuidada por ninguém. Quando o santo de Deus a viu tão arruinada, entristeceu-se porque tinha grande devoção para com a Mãe de toda bondade, e passou a morar ali habitualmente. No tempo em que a reformou, estava no terceiro ano de sua conversão. Por essa época, usava um hábito de ermitão, cingido com uma correia, e andava com um bastão e calçado.

22. Leu-se certo dia, naquela igreja, a passagem do Evangelho que conta como o Senhor enviou seus discípulos a pregar. O santo de Deus estava presente e escutava atentamente todas as palavras. Depois da missa, pediu encarecidamente ao sacerdote que lhe explicasse o Evangelho. Ele repassou tudo e Francisco, ouvindo que os discípulos não deviam possuir ouro, prata ou dinheiro, nem levar bolsa ou sacola, nem pão, nem bastão pelo caminho, nem ter calçados ou duas túnicas, mas pregar o reino de Deus e a penitência, entusiasmou-se imediatamente no espírito de Deus: "É isso que eu quero, isso que procuro, é isso que eu desejo fazer de todo o coração".

Transbordando de alegria, apressou-se o santo pai a concretizaro salutar conselho, e sem demora pôs devotamente em prática o que ouvira. Tirou as sandálias, deixou de lado o bordão e, contente com uma só túnica, substituiu a correia por uma corda. Preparou depois uma túnica que apresentava o sinal da cruz, para afastar com ela todas as fantasias demoníacas. Fê-la muito áspera, para crucificar a carne com os vícios e os pecados. Fê-la muito pobre e mal acabada, para de maneira alguma poder ser ambicionada pelo mundo.

E procurou praticar com toda diligência e reverência também as outras coisas que ouvira. Pois não era surdo ao Evangelho, antes guardava tudo com uma memória admirável e tratava de executá-lo à risca.

CAPITULO 10

A pregação do Evangelho e o anúncio da paz. Conversão dos seis primeiros frades

23. Depois disso, começou a pregar a todos a penitência, com grande fervor de espírito e alegria da alma, edificando os ouvintes com a linguagem simples e a nobreza de coração. Sua palavra era um fogo devorador que penetrava o âmago do coração e a todos enchia de admiração. Parecia todo transfigurado, e olhando para o céu nem se dignava olhar a terra. E, coisa curiosa, começou a pregar onde em criança aprendera a ler, no mesmo lugar em que haveria de ter sua primeira gloriosa sepultura. Dessa maneira, um feliz começo augurou uma conclusão ainda mais feliz. Onde aprendeu, aí também ensinou; e onde começou, aí também chegou à conclusão feliz.

Em todas as pregações, antes de propor aos ouvintes a palavra de Deus, invocava a paz dizendo: "O Senhor vos dê a paz". Anunciava-a sempre a homens e mulheres, aos que encontrava e aos que o procuravam. Dessa forma, com a graça de Deus, muitos inimigos da paz e da salvação abraçaram a paz de todo o coração, fazendo-se também eles filhos da paz, desejosos da salvação eterna.

24. Entre estes, o primeiro que seguiu o santo foi um habitante de Assis, homem piedoso e simples. Depois dele, também Frei Bernardo abraçou a missão de paz, correndo alegremente a ganhar o reino dos céus em seguimento do santo de Deus. Hospedara com freqüência o bem-aventurado pai, tendo observado e provado sua vida e procedimento. Atraído pelo aroma de sua santidade, concebeu o temor e nasceu para a salvação do espírito.

Vira-o passar em oração a noite inteira, quase sem dormir, louvando a Deus e sua gloriosa Mãe. Admirava-se e dizia: "Verdadeiramente, este é um homem de Deus". Por isso se apressou a vender todas as suas coisas e deu tudo não aos parentes mas aos pobres. Tomando o caminho da perfeição, cumpriu o conselho do santo Evangelho: "Se queres ser perfeito, vai e vende tudo que tens, e distribui-o aos pobres. Terás um tesouro nos céus. E vem e segue-me". Feito isso, juntou-se a Francisco na vida e no hábito. Esteve sempre com ele até que, tendo aumentado o número dos irmãos, foi transferido para outras regiões em obediência ao piedoso pai.

Sua forma de conversão passou a ser modelo para os outros que se converteram: vender as propriedades e dar aos pobres. São Francisco teve uma alegria enorme com a chegada e a conversão de um homem de tanto valor, pois reconheceu que o Senhor cuidava dele, já que lhe mandara um companheiro tão necessário e um amigo tão fiel.

25. Logo o seguiu outro cidadão de Assis, que teve vida muito louvável e, depois de pouco tempo, terminou ainda mais santamente o que santamente começara.

Não muito depois seguiu-o Frei Egídio, homem simples, reto e temente a Deus, que teve uma longa vida, justa, piedosa e santa, e nos deixou exemplos de obediência perfeita, de trabalho braçal, de recolhimento e de santa contemplação. Depois desses, deixando fora um outro, Frei Felipe completou o número sete. Seus lábios foram purificados pelo Senhor com a brasa da pureza, para dizer a seu respeito coisas doces e melífluas. Entendia e interpretava as Escrituras, sem as ter estudado, como aqueles que os príncipes dos judeus desprezavam como ignorantes e iletrados.

CAPITULO 11

Espírito profético e advertências de São Francisco

26. O bem-aventurado Francisco se enchia cada vez mais da consolação e da graça do Espírito Santo. Com todo o cuidado e solicitude, dava a seus novos filhos a nova formação, ensinando-os a trilhar com passo seguro o caminho da santa pobreza e da bem-aventurada simplicidade.

Certo dia, admirando a misericórdia do Senhor nos muitos benefícios que executava por seu intermédio, e desejando que o Senhor se dignasse mostrar-lhe como ele e os seus deveriam progredir na perfeição, foi para um lugar de oração, como fazia com freqüência. Lá ficou bastante tempo rezando com temor e tremor, diante do Senhor de toda a terra. Relembrando com amargura os anos que aproveitara mal, repetia sem cessar: "Meu Deus, tende compaixão de mim que sou pecador". Pouco a pouco começou a sentir o coração inundar-se de uma alegria incontável e de uma suavidade sem tamanho. Também começou a sentir que saía de si mesmo, dissipando-se os temores e as trevas que se tinham juntado em seu coração por medo do pecado, e lhe foi infundida uma certeza da remissão de todos os pecados e uma confiança de que viveria da graça. Arrebatado em êxtase e absorvido totalmente em claridade, alargou-se a sua mente e pôde ver com clareza os acontecimentos futuros. Quando a suavidade e a luz se afastaram, ele, renovado no espírito, parecia transformado em um novo homem.

27. Voltou todo alegre e disse aos irmãos: "Consolai-vos, caríssimos, e alegrai-vos no Senhor. Não vos entristeçais por parecerdes poucos, nem vos desanime a minha simplicidade ou a vossa, porque, como o Senhor me mostrou na verdade, Deus nos vai fazer crescer como a maior das multidões e vai propagar-nos até os confins da terra. Para vosso maior proveito, sou obrigado a contar o que vi. Preferiria calar-me, se a caridade não me obrigasse a contá-lo. Vi uma enorme multidão de homens vindo a nós e querendo viver conosco este gênero de vida e esta Regra de santa religião. Parece-me ter ainda em meus ouvidos o seu rumor, indo e vindo conforme a disposição da obediência. Vi o que pareciam caminhos apinhados de gente vinda de quase de todas as nações: vêm franceses, apressam-se espanhóis, correm alemães e ingleses e se adianta uma multidão enorme de outras línguas diversas". Ouvindo isso, os frades se encheram de salutar alegria, tanto pela graça que o Senhor concedera ao seu santo como porque tinham sede ardente do bem do próximo, desejando aumentar em número, para em Deus poderem ser salvos todos juntos.

28. Disse-lhes o santo: "Irmãos, para agradecermos fiel e devotamente a Deus nosso Senhor por todos os seus dons, e para que saibais o que há de ser de nós e de nossos irmãos futuros, compreendei a verdade do que vai acontecer. No começo desta nossa vida vamos encontrar alguns frutos doces e deliciosos. Depois serão oferecidos outros de menor sabor e doçura. No fim, serão dados alguns cheios de amargor, de que não poderemos viver, porque sua acidez será intragável para todos, apesar da aparência de frutos belos e cheirosos. Entretanto, como vos disse, o Senhor fará de nós um grande povo. Mas no fim vai acontecer como quando um pescador lança suas redes no mar ou em algum lago e recolhe uma grande quantidade de peixes. Despeja-os na barca, mas, não podendo levar todos por serem demasiados, escolhe os maiores e melhores para os cestos, jogando os outros fora".

A grande verdade que encerram essas palavras proféticas e a exatidão com que se cumpriram são muito claras para os que pensam com imparcialidade. Foi assim que o espírito da profecia repousou sobre São Francisco.

CAPITULO 12

Envia-os, dois a dois, pelo mundo.- Logo se reúnem de novo

29. Por esse tempo, ingressou na Ordem um outro homem de bem, chegando a oito o número de irmãos. Então São Francisco chamou-os todos a si e, tendo-lhes falado muitas coisas sobre o reino de Deus, o desprezo do mundo, a abnegação da própria vontade e a mortificação do corpo, dividiu-os dois a dois pelas quatro partes do mundo e lhes disse: "Ide, caríssimos, dois a dois, por todas as partes do mundo, anunciando aos homens a paz e a penitência para a remissão dos pecados; sede pacientes na tribulação, confiando que o Senhor vai cumprir o que propôs e prometeu. Aos que vos fizerem perguntas respondei com humildade, aos que vos perseguirem e caluniarem agradecei, porque através disso tudo nos está sendo preparado um reino eterno".

Recebendo o mandato da santa obediência com gáudio e muita alegria, eles se prostraram suplicantes diante de São Francisco. Ele os abraçava e dizia com ternura a cada um: "Põe teus cuidados no Senhor e ele cuidará de ti". Sempre repetia essas palavras quando transmitia alguma obediência aos irmãos.

30. Frei Bernardo e Frei Egídio foram para São Tiago de Compostela. São Francisco e um companheiro escolheram outra região, e os outros quatro foram dois a dois para os lados que restaram.

Pouco tempo depois, São Francisco desejou revê-los e orou ao Senhor, que congrega os dispersos de Israel, que se dignasse reuni-los outra vez sem demora. E assim sucedeu, conforme o seu desejo: bem depressa, sem que ninguém os chamasse, eles se encontraram, dando graças a Deus.

Reunidos, manifestaram sua grande alegria por rever o piedoso pastor e se admiraram de terem tido todos o mesmo desejo ao mesmo tempo. Contaram depois as coisas boas que o misericordioso Senhor lhes tinha feito e pediram correção e castigo ao santo pai pelas negligências e ingratidões que pudessem ter cometido, cumprindo-os diligentemente.

Era isso que costumavam fazer todas as vezes que chegavam a ele, e não lhe ocultavam o menor pensamento e até os impulsos das paixões. Mesmo tendo cumprido tudo que lhes fora ordenado, ainda se achavam servos inúteis. Essa primeira escola de São Francisco tinha tal pureza de coração que, embora soubessem fazer coisas úteis, santas e justas, não sabiam absolutamente vangloriar-se por causa disso. Mas o santo pai, abraçando seus filhos com muita caridade, começou a manifestar-lhes seus projetos e o que o Senhor lhe havia revelado.

31. Logo se uniram a eles outros quatro homens bons e idôneos, que seguiram o santo de Deus. Espalhou-se um grande comentário no meio do povo, e a fama do homem de Deus começou a se estender para mais longe. São Francisco e seus irmãos tinham naquele tempo uma imensa alegria e um prazer especial, quando alguém, quem quer que fosse, devoto, rico, pobre, nobre, plebeu, desprezado, benquisto, prudente, simples, clérigo ou leigo, levado pelo espírito de Deus, ia receber o hábito da Ordem.

Os leigos se admiravam muito de tudo isso, e o exemplo de humildade levava-os a corrigir suas vidas e a fazer penitência pelos pecados. Sua simplicidade e a insegurança de sua pobreza não eram obstáculo nenhum para edificarem santamente aqueles que Deus queria edificar, pois ele gosta de estar com os desprezados do mundo e com os simples.

CAPITULO 13

Escreve a Regra quando tem apenas onze irmãos. O Papa Inocêncio a confirma. Visão da árvore

32. Vendo o bem-aventurado Francisco que o Senhor aumentava cada dia o seu número, escreveu para si e para seus irmãos, presentes e futuros, com simplicidade e com poucas palavras, uma forma e Regra de vida, sendo principalmente expressões do santo Evangelho, pois vive-lo perfeitamente era seu único desejo. Acrescentou contudo algumas poucas coisas, absolutamente necessárias para o andamento da vida religiosa. Depois, foi a Roma com todos os referidos irmãos, desejando ardentemente que o Papa Inocêncio III confirmasse o que tinha escrito.

Achava-se naquela ocasião em Roma o venerando bispo de Assis, Guido, que estimava muito São Francisco e todos os seus irmãos, e os venerava com particular afeto. Vendo ali São Francisco e seus irmãos, e desconhecendo o motivo, não gostou. Temia que quisessem abandonar sua terra, onde o Senhor já começara a fazer coisas extraordinárias por meio de seus servidores. Gostava muito de ter esses homens de valor em sua diocese e esperava muito de sua vida e de seus bons costumes. Mas quando soube a causa e compreendeu os seus propósitos, alegrou-se muito no Senhor e lhes prometeu seu apoio e influência.

São Francisco também se apresentou ao senhor bispo de Sabina, João de São Paulo, que se destacava entre os outros príncipes e dignitários da Cúria Romana por "desprezar as coisas terrenas e aspirar às celestiais" Este o recebeu com "bondade e caridade" e elogiou bastante sua resolução e seus projetos.

33. Entretanto, prudente e discreto, interrogou-o sobre muitos pontos e tentou persuadi-lo a passar para a vida monástica ou eremítica. Mas São Francisco recusou com humildade e quanto lhe foi possível esse conselho, sem desprezar os argumentos, mas por estar piedosamente convencido de que era conduzido por um desejo mais elevado. Admirava-se o prelado com seu fervor, e temendo que fraquejasse em tão altos propósitos, mostrava-lhe caminhos mais fáceis. Afinal, vencido por sua constância, anuiu a seus rogos e procurou apoiar sua causa diante do Papa.

Regia a Igreja de Deus naquele tempo o Papa Inocêncio III, homem ilustre, muito rico em doutrina, celebérrimo orador e muito zeloso da justiça em tudo que se referia ao culto da fé cristã. Informado do desejo daqueles homens de Deus, depois de refletir, aceitou o pedido e deu-lhe despacho. Tendo-lhes feito muitas exortações e admoestações, abençoou São Francisco e seus irmãos e lhes disse: "Ide com Deus, irmãos, e conforme o Senhor se dignar inspirar-vos, pregai a todos a penitência. Quando o Senhor vos tiver enriquecido em número e graça, vinde referir-me tudo com alegria, e eu vos concederei mais coisas do que agora e, com maior segurança, vos confiarei encargos maiores".

Na verdade, o Senhor estava com São Francisco, onde quer que ele fosse, alegrando-o com revelações e animando-o com benefícios. Certa noite, viu-se em sonhos andando por um caminho, ao lado do qual havia uma árvore de grande porte. A árvore era bela e forte, grossa e muito alta. E aconteceu que, estando a admirar sua beleza e altura, o próprio santo tornou-se de repente tão alto que tocava o cimo da árvore e com suas mãos conseguia vergá-la facilmente até o chão. De fato, foi o que aconteceu quando Inocêncio III, a árvore mais alta e mais respeitável do mundo, se inclinou com tanta benignidade ao pedido e à vontade de Francisco.

CAPITULO 14

Volta de Roma para o vale de Espoleto.- Uma pausa no caminho

34. Muito contentes com a bondade e generosidade do grande pai e senhor, Francisco e seus irmãos deram graças a Deus todo-poderoso, que exalta os humildes e conforta os aflitos. Foram logo visitar o túmulo de São Pedro e, terminada a oração, saíram de Roma e tomaram o caminho do vale de Espoleto.

Durante a viagem, conversavam sobre tantos e tão grandes dons de Deus clementíssimo: como tinham sido cordialmente recebidos pelo vigário de Cristo, senhor e pai de todo o povo cristão; como poderiam pôr em prática suas admoestações e preceitos; como poderiam observar com sinceridade e guardar com firmeza a Regra que tinham recebido; como fariam para viver diante de Deus com toda santidade e religiosidade; como, finalmente, sua vida e costumes, pelo crescimento das virtudes, poderiam servir de exemplo para os outros.

Mas, enquanto os novos discípulos de Cristo discutiam bastante sobre esses assuntos, como numa escola de humildade, o dia se adiantou e a hora passou. Chegaram a um lugar solitário, muito cansados, e, com fome, não conseguiram nada para comer, porque estavam longe de qualquer povoação. Subitamente, porém, por graça de Deus, encontraram um homem com um pão. Deu-lho e se foi. Como não o conheciam, ficaram profundamente admirados. Cheios de devoção, exortavam-se mutuamente a ter maior confiança na misericórdia de Deus.

Reconfortados pelo alimento, chegaram a um lugar perto de Orte, e ali ficaram quase quinze dias. Para terem o que comer, alguns deles iam à cidade e levavam aos outros o pouco que podiam recolher, mendigando de porta em porta. Comiam juntos, cheios de alegria e dando graças. Se sobrava alguma coisa, não tendo ninguém a quem dar, guardavam-na em um sepulcro que já servira para guardar corpos de mortos, para comê-la depois. O lugar era deserto e abandonado e pouca gente, ou ninguém, passava por ali.

35. Grande era seu regozijo por nada verem, nem possuírem que os pudesse prender às coisas vãs e agradáveis aos sentidos. Por isso iniciaram aí sua aliança com a santa pobreza e, extraordinariamente consolados pela falta de todas as coisas que são do mundo, decidiram permanecer sempre unidos a ela, como estavam ali. Pondo de lado toda solicitude pelos bens terrenos, só lhes interessava a consolação de Deus. Por isso resolveram com firmeza não se apartar dos braços da pobreza por maiores que fossem as tribulações e tentações.

Embora a amenidade daquele lugar, que bem lhes poderia debilitar o vigor do espírito, não os estivesse prendendo, eles o abandonaram para que uma permanência mais longa não tivesse nem exteriormente alguma aparência de posse, e, seguindo o feliz pai, entraram no vale de Espoleto.

Fiéis cultores da justiça, discutiam também se deveriam permanecer entre os homens ou retirar-se para lugares desertos. Mas São Francisco, que não confiava em sua sabedoria mas prevenia tudo com a santa oração, preferiu não viver apenas para si mesmo, mas para aquele que morreu por todos, convencido de que tinha sido mandado para conquistar para Deus as almas que o demônio se empenhava em arrebatar.

CAPITULO 15

Fama de São Francisco. Conversão de muitos.- Como a Ordem se chamou dos Frades Menores.- Instruções de São Francisco aos que entram na Ordem

36. Valoroso soldado de Cristo, Francisco percorria as cidades e povoados anunciando o reino de Deus, proclamando a paz, pregando a salvação e a penitência para a remissão dos pecados, sem usar os argumentos da sabedoria humana, mas a doutrina e a força do Espírito.

Apoiado na autorização apostólica que lhe tinha sido concedida, agia em tudo destemidamente, sem adular nem tentar seduzir ninguém com moleza. Não sabia lisonjear as culpas de ninguém, mas pungi-las. Não tentava desculpar a vida dos pecadores, mas atacava-os com áspera reprimenda, tanto mais que tinha posto primeiro em prática as coisas que estava dizendo aos outros. Sem medo de que o repreendessem, anunciava a verdade destemidamente, de maneira que até os homens mais letrados, que gozavam de renome e dignidade, admiravam seus sermões e em sua presença sentiam-se possuídos de temor salutar. Acorriam homens e mulheres, clérigos e religiosos, para verem e ouvirem o santo de Deus, que a todos parecia um homem de outro mundo.

Sem distinção de idade ou sexo, corriam todos assistir as maravilhas que Deus estavam realizando outra vez por seu servo neste mundo. Na verdade, parecia que, naquele tempo, tanto pela presença como pela simples fama de São Francisco, tivesse sido enviada uma luz nova do céu para a terra, espantando toda escuridão das trevas, que a tal ponto tinha ocupado quase toda a região, que mal dava para alguém saber onde se estava indo. Tão profundos eram em quase todos o esquecimento de Deus e a negligência na observância de seus mandamentos, que quase não se conseguia afastar alguém de seus inveterados vícios.

37. Brilhava como uma estrela fulgente na escuridão da noite e como a aurora que se estende sobre as trevas. Dessa maneira, dentro de pouco tempo, tinha sido completamente mudada a aparência da região, que parecia por toda parte mais alegre, livre da antiga fealdade. Acabara a prolongada seca e brotara a messe no campo áspero. Até a vinha descuidada se cobriu de brotos que espalhavam o perfume do Senhor e, dando flores de suavidade, carregou-se de frutos de honra e honestidade. Ressoavam por toda parte a ação de graças e o louvor, e por isso foram muitos os que quiseram deixar os cuidados mundanos para chegar ao conhecimento de si mesmos na vida e na escola do santo pai Francisco, caminhando para o amor de Deus e o seu culto.

Começaram a vir a São Francisco muitas pessoas do povo, nobres e plebeus, clérigos e leigos, querendo por inspiração de Deus militar para sempre sob sua orientação e magistério. O santo de Deus, como um rio caudaloso de graça celeste, derramando a chuva dos carismas, enriquecia o campo de seus corações com as flores das virtudes. Pois era um artista consumado que apresentava o exemplo, a Regra e os ensinamentos de acordo com os quais, tanto nos homens como nas mulheres, a Igreja de Cristo rejuvenescia e triunfava o tríplice exército dos predestinados. A todos propunha uma norma de vida e demonstrava com garantias o caminho da salvação em todos os graus.

38.Mas o nosso principal assunto agora é a Ordem, que assumiu e sustentou tanto por seu amor como por sua profissão. Que diremos? Foi ele mesmo quem fundou a Ordem dos Frades Menores e assim lhe deu o nome: quando estavam escrevendo na Regra: "e sejam menores", ao ouvir essas palavras disse: "Quero que esta fraternidade seja chamada Ordem dos Frades Menores".

De fato, eram menores, porque eram "submissos a todos", sempre procuravam o pior lugar e queriam exercer o ofício em que pudesse haver alguma desonra, para merecerem ser colocados sobre a base sólida da humildade verdadeira e neles pudesse crescer auspiciosamente a construção espiritual de todas as virtudes.

Em verdade, sobre o fundamento da constância levantou-se a nobre construção da caridade, na qual as pedras vivas, recolhidas em todas as partes do mundo, tornaram-se templo do Espírito Santo. Que caridade enorme abrasava os novos discípulos de Cristo! Quão forte era o laço que os unia no amor do piedoso grupo! Quando se reuniam em algum lugar, ou quando se encontravam em viagem, reacendia-se o fogo do amor espiritual, espargindo suas sementes de amizade verdadeira sobre todo o amor. E como? Com castos abraços, com terno afeto, com ósculos santos, uma conversa amiga, sorrisos modestos, semblante alegre, olhar simples, ânimo suplicante, língua moderada, respostas afáveis, o mesmo desejo, pronto obséquio e disponibilidade incansável.

39. O fato é que, tendo desprezado todas as coisas terrenas e estando livres do amor-próprio, consagravam todo o seu afeto aos irmãos, oferecendo-se todos para atender às necessidades fraternas. Reuniam-se com prazer e gostavam de estar juntos: para eles era pesado estarem separados, o afastamento era amargo e partir era doloroso.

Nada ousavam esses obedientíssimos soldados de Cristo antepor aos preceitos da obediência. Antes de acabarem de receber uma ordem, já se preparavam para cumprí-la. Como não sabiam fazer distinções de preceitos, precipitavam-se a executar tudo que lhes era mandado, sem fazer reparos.

"Seguidores da santíssima pobreza" porque não tinham nada, nada desejavam, e por isso não tinham medo de perder coisa alguma. Estavam contentes com uma única túnica, remendada às vezes por dentro e por fora: não lhes servia de enfeite mas de desprezo e pobreza, para poderem mostrar claramente que nela estavam crucificados para o mundo. Cingiam-se com uma corda e usavam calças de pano rude, fazendo o piedoso propósito de ficar simplesmente assim, sem ter mais nada.

Naturalmente estavam seguros em qualquer lugar, sem nenhum temor, cuidado ou preocupação pelo dia seguinte, nem se incomodavam com o abrigo que teriam à noite, mesmo nas grandes dificuldades, freqüentes nas viagens. Pois, como muitas vezes nem tinham onde se abrigar do frio mais rigoroso, recolhiam-se a um forno ou se escondiam humildemente, à noite, em grutas ou cavernas.

Durante o dia, os que sabiam trabalhavam com as próprias mãos, permanecendo nas casas dos leprosos ou outros lugares de respeito, servindo a todos com humildade e devoção. Não queriam exercer ofício algum que pudesse causar escândalo, mas, fazendo sempre coisas santas e justas, honestas e úteis, davam exemplo de humildade e de paciência a todos.

40. Tinham adquirido tanta paciência que preferiam estar nos lugares onde os perseguiam e não onde sua santidade fosse conhecida e louvada, e assim pudessem conseguir os favores do mundo. Foram muitas vezes cobertos de opróbrios e de ofensas, despidos, açoitados, amarrados, encarcerados, sem recorrer à proteção de ninguém, e suportavam tudo varonilmente, vindo à sua boca apenas a voz do louvor e da ação de graças.

Poucas vezes, ou nunca, deixavam de louvar a Deus ou de rezar, mas estavam sempre lembrando uns aos outros tudo que tinham feito, agradecendo a Deus pelas coisas boas, gemendo e chorando pelas negligências e descuidos. Julgavam-se abandonados por Deus se não fossem por Ele visitados com a piedade habitual no espírito da devoção. Para não dormirem quando queriam rezar, usavam algum expediente: uns se agarravam a cordas suspensas para que a chegada do sono não perturbasse a oração, outros se cingiam com cilícios de ferro e ainda outros rodeavam a cintura com instrumentos de madeira. Se alguma vez a abundância de comida ou de bebida, como pode acontecer, perturbava sua sobriedade, ou pelo cansaço do caminho passavam além da necessidade absoluta, mortificavam-se com uma abstinência de muitos dias. Afinal, punham tanto esforço em reprimir as tentações da carne, que muitas vezes não se horrorizavam de despir-se no gelo mais frio, nem de molhar o corpo todo com o sangue derramado por duros espinhos.

41. Desprezavam tão fortemente todas as coisas terrenas que mal se permitiam receber o que era extremamente necessário para a vida, e estavam tão acostumados a passar sem as consolações do corpo, que não os assustavam os maiores sacrifícios.

Em tudo isso guardavam a paz e a mansidão com todas as pessoas. Fazaendo sempre coisas puras e pacíficas,evitavam cuidadosamente todo escândalo. Apenas falavam quando era necessário e de sua boca nunca saía nada de inconveniente ou ocioso: em sua vida e procedimento não se podia descobrir nada de lascivo ou desonesto.

Seus gestos eram comedidos e seu andar simples. Tinham os sentidos tão mortificados que mal pareciam ver ou ouvir senão o que lhes estava pedindo a atenção. Tinham os olhos na terra, mas o pensamento no céu. Nem inveja, nem malícia, ou rancor, nem duplicidade, suspeição ou amargura neles existiam, mas apenas muita concórdia, calma contínua, ação de graças e louvor. Era com esses princípios que o piedoso pai formava seus novos filhos, não só com palavras e doutrina, mas de verdade e com o exemplo.

CAPITULO 16

A estadia em Rivotorto e a guarda da pobreza

42. São Francisco e os outros recolheram-se em um lugar perto de Assis, chamado Rivotorto. Havia ali uma cabana abandonada, onde viveram aqueles homens, que não faziam questão de casas grandes e bonitas, e lá se defendiam da chuva. "Pois, como diz um santo, de uma cabana vai-se mais depressa para o céu do que de um palácio".

Os filhos e irmãos viviam nesse lugar com o bem-aventurado pai, trabalhando bastante e sofrendo escassez de tudo. Faltou-lhes muitas vezes até o pão, precisando contentar-se com os nabos penosamente mendigados pela planície de Assis. Sua casa era tão apertada que mal podiam sentar-se ou descansar. Mas não se ouviam queixas ou murmurações: calmos e alegres, mantinham a paciência.

Todo dia, para não dizer sempre, São Francisco examinava diligentemente a si mesmo e aos seus, sem permitir neles falha alguma, e afastando toda negligência de seus corações. Era constante sua vigilância sobre si mesmo e rígida sua disciplina. Se tinha alguma tentação, como acontece, mergulhava durante o inverno num buraco cheio de gelo e lá ficava até passar toda rebelião da carne. E os outros seguiam com fervor todo esse exemplo de mortificação.

43. Ensinava-os não só a mortificar as paixões e a reprimir os impulsos da carne, mas até os sentidos exteriores, pelos quais a morte entra na alma. Passou por ali, naquele tempo, o imperador Otão, para receber a coroa do império terreno. Apesar do enorme ruído e pompa, o santo pai e seus companheiros, cuja cabana ficava à beira do caminho, nem saiu para vê-lo, nem permitiu que ninguém olhasse, a não ser um, a quem mandou para anunciar-lhe repetidamente que sua glória ia durar pouco.

Pois o glorioso santo permanecia recolhido em si mesmo, passeando pelo espaço de seu coração, onde preparava uma habitação digna de Deus. Por isso seus ouvidos não se deixavam levar pelo clamor de fora, e voz alguma podia distraí-lo ou interromper sua importante ocupação. Sentia-se investido de autoridade apostólica e por isso se recusava absolutamente a bajular reis e príncipes.

44. Agia sempre com santa simplicidade e não permitia que o aperto do lugar lhe prejudicasse a amplidão do coração. Por isso escreveu o nome dos irmãos nos caibros da cabana, para que cada um soubesse seu lugar quando quisesse orar ou repousar, e não se perturbasse o silêncio espiritual pela estreiteza do ambiente.

Ainda moravam nesse lugar no dia em que apareceu um homem conduzindo um jumento, na porta da cabana em que o homem de Deus estava com os seus companheiros. Temendo ser rejeitado, instigava o animal a entrar, dizendo: "Entra, que vamos melhorar este lugar". Ouvindo isso, São Francisco ficou muito chocado, pois entendeu a intenção do homem: pensava que os frades queriam morar naquele lugar para promovê-lo e construir casas. São Francisco saiu imediatamente dali, abandonando a cabana por causa da palavra do camponês. Transferiu-se para outro lugar, não muito afastado, chamado Porciúncula, onde, como dissemos, tinha reparado tempos atrás a igreja de Nossa Senhora. Não queria ter propriedade nenhuma, para poder possuir tudo no Senhor em maior plenitude.

CAPITULO 17

São Francisco ensina os irmãos a rezar.- Obediência e simplicidade dos frades

45. Rogaram-lhe os frades, nesse tempo, que os ensinasse a rezar, porque, vivendo na simplicidade, ainda não conheciam o ofício eclesiástico. Respondeu-lhes: "Quando orardes, dizei: 'Pai nosso' e 'Nós vos adoramos, ó Cristo, em todas as vossas igrejas que estão pelo mundo inteiro, e vos bendizemos, porque por vossa santa cruz remistes o mundo'".

Discípulos do piedoso mestre, os frades procuravam observar tudo com a maior diligência, porque tratavam de cumprir com exatidão não só o que o bem-aventurado pai Francisco lhes dizia quando dava conselhos ou ordens, mas até o que ele estava pensando ou planejando, se conseguiam saber o que era.

Dizia-lhes também o santo pai que a verdadeira obediência devia ser até descoberta antes de manifestada e desejada antes de imposta. Isto é: "Se um irmão que é súdito não só ouvir a voz mas até perceber a vontade de seu superior, deve tratar de obedecer imediatamente e de fazer o que, por algum indício, adivinhou que ele quer".

Em qualquer lugar onde houvesse uma igreja, mesmo que não estivessem presentes, contanto que a pudessem ver de longe, prostravam-se por terra na sua direção e, inclinados de corpo e alma, adoravam o Todo-Poderoso, dizendo: "Nós vos adoramos, ó Cristo, em todas as vossas igrejas", como lhes ensinara o santo pai. E, o que não é menos para se admirar, faziam o mesmo onde quer que vissem uma cruz ou seu sinal, no chão, numa parede, nas árvores ou nas cercas do caminho.

46. A tal ponto tinham-se enchido de simplicidade, aprendido a inocência e conseguido a pureza de coração, que detestavam toda falsidade e, como tinham a mesma fé, tinham também o mesmo espírito, uma só vontade, um só amor. Eram sempre coerentes, procediam de acordo, cultivavam as virtudes, procuravam ter as mesmas opiniões e ser igualmente generosos no que faziam.

Confessavam-se freqüentemente com um padre diocesano, que tinha muito má fama e merecia o desprezo pela enormidade de seus pecados. Muita gente chamou a atenção deles para a maldade do padre, mas não quiseram acreditar de maneira nenhuma e nem por isso deixaram de confessar-se como de costume, nem lhe perderam o respeito. Uma vez, esse ou um outro sacerdote disse a um dos frades: "Irmão, não sejas hipócrita!" O frade, por ser a palavra de um sacerdote, logo ficou pensando que era mesmo um hipócrita. Lamentava-se por isso dia e noite, muito penalizado. Perguntaram- lhe, então, os frades por que estava tão triste e donde lhe vinha esse abatimento incomum, e ele respondeu: "Um padre me disse que sou hipócrita, e isso me doeu tanto que nem consigo pensar noutra coisa". Para o consolar, os irmãos disseram que não devia acreditar nisso. Mas ele respondeu: "Que estais dizendo? Foi um padre que me disse isso, e um padre não pode mentir, por isso precisamos acreditar no que ele disse". Permaneceu muito tempo nessa simplicidade, acalmando-se afinal pela palavra do santo pai, que lhe explicou melhor o que o padre tinha dito e desculpou sabiamente sua intenção.

Dificilmente podia algum frade ficar tão perturbado que sua palavra ardente não lhe afastasse qualquer dúvida e não lhe devolvesse a serenidade.

CAPITULO 18

O carro de fogo. Conhecimento das coisas ausentes

47. Porque caminhavam com simplicidade diante de Deus e com segurança diante dos homens, nessa ocasião mereceram os frades a alegria de uma revelação divina. Certa noite, inflamados pelo Espírito Santo, estavam cantando suplicantes o pai-nosso sobre uma melodia religiosa (pois não rezavam só nas horas marcadas mas em qualquer hora, uma vez que não tinham preocupações terrenas), quando o bem-aventurado pai se ausentou corporalmente deles. Lá pela meia-noite, quando alguns frades descansavam e outros rezavam em silêncio com devoção,entrou pela pequena porta um rutilante carro de fogo, deu duas ou três voltas para cá e para lá na casa, tendo sobre ele um globo enorme, que era parecido com o sol e iluminou a noite. Os que estavam acordados se espantaram e os que estavam dormindo se assustaram, pois sentiram uma claridade não só corporal mas também interior. Reuniram-se e começaram a discutir entre si o que seria aquilo: por força e graça de toda aquela luz, cada um enxergava a consciência do outro.

Compreenderam afinal que a alma do santo pai brilhava com tamanho fulgor que, sobretudo por sua pureza e por seu zeloso cuidado pelos filhos, tinha conseguido de Deus a graça desse enorme benefício.

48. Muitas outras vezes tinham comprovado, por sinais manifestos, que os segredos de seus corações não eram desconhecidos por seu santo pai. Quantas vezes, sem que ninguém dissesse, mas por revelação do Espírito Santo, soube o que estavam fazendo frades ausentes, manifestou segredos de seus corações e penetrou as consciências! A quantos aconselhou em sonhos, dizendo o que deviam fazer ou deixar de fazer! A quantos, que estavam manifestamente bem no presente, previu males no futuro! Da mesma maneira, previu para muitos o fim de seus pecados e lhes anunciou a graça da salvação. Houve até um que, distinguido por especial espírito de pureza e simplicidade, pôde ter a consolação de contemplá-lo de maneira especial, não dada aos outros.

Vou contar um caso entre os muitos que soube por testemunhas de confiança. No tempo em que Frei João de Florença foi feito por São Francisco ministro dos frades da Provença e estava celebrando o capítulo dos frades daquela Província, o Senhor Deus lhe abriu a boca para falar com a piedade costumeira e fez todos os frades ouvirem com benévola atenção. Havia entre eles um irmão sacerdote, célebre pela fama e mais ainda pela vida. Chamava-se Monaldo e sua virtude, fundamentada na humildade e auxiliada pela oração freqüente, era protegida pelo escudo da paciência. Estava participando do capítulo também Frei Antônio, a quem o Senhor abrira a inteligência para compreender as Escrituras, e que falava de Jesus a todo o povo com palavras mais doces que o mel. Enquanto Frei Antônio estava pregando com fervor e devoção aos fradessobre as palavras: "Jesus Nazareno, Rei dos Judeus", o referido Frei Monaldo olhou para a porta da casa em que os frades estavam reunidos e viu com seus próprios olhos o bem-aventurado Francisco elevado no ar, com as mãos abertas em cruz, abençoando os frades. Sentiam-se todos cheios de consolação do Espírito Santo e de gozo salutar, e por isso acreditaram quando ouviram falar da presença e da visão do glorioso pai.

49. Para confirmar que conhecia os segredos dos corações, vou escolher, entre muitos, um caso que está acima de qualquer dúvida. Um frade, chamado Ricério, nobre de nascimento e mais ainda por sua vida, que amava a Deus e fazia pouco de si mesmo, queria piedosa e ardentemente conseguir todo afeto do santo pai Francisco e por isso tinha muito medo de que o santo deixasse de gostar delepor algum motivo oculto, privando-o assim do seu afeto. Muito timorato, julgava o frade que aquele a quem São Francisco muito amasse seria digno de merecer a graça de Deus. Pelo contrário, achava que mereceria o castigo do juiz eterno aquele que não merecesse sua benevolência e atenção. Estava sempre pensando nisso, e até falava consigo mesmo em silêncio, sem revelar a ninguém o seu segredo.

50. Um dia, quando o santo pai estava rezando em sua cela e o referido frade apareceu por ali, perturbado pelo pensamento de sempre, o santo de Deus teve conhecimento tanto de sua chegada como de sua preocupação. Imediatamente mandou chamá-lo e lhe disse: "Filho, não te deixes perturbar por nenhuma tentação. Nenhum pensamento te angustie. Eu gosto muito de ti, e podes ficar sabendo que estás entre os que mais estimo e és digno de minha amizade. Podes vir aqui quando quiseres, e falar comigo com toda a confiança". O frade ficou admiradíssimo e aumentou sua veneração: começou a crescer com confiança ainda maior na misericórdia de Deus na medida em que cresceu na amizade do santo pai.

Como deve ser duro suportar tua ausência, pai santo, por quem já desanimou de encontrar outro igual a ti nesta terra! Rogamos que ajudes com tua intercessão os que vês envolvidos nos laços do pecado. Estavas cheio do espírito de todos os justos, previas o futuro e conhecias o presente. Apesar disso, sempre te destacavas pela simplicidade, para fugir da vanglória.

Mas, voltemos atrás, para retomar a ordem histórica.

CAPITULO 19

Cuidado pelos irmãos. Desprezo de si mesmo e verdadeira humildade

51. São Francisco voltou materialmente ao convívio dos seus frades, embora espiritualmente jamais se tivesse afastado, como dissemos. Interessava-se continuamente pelos seus, procurando saber com prudência e atenção o que todos estavam fazendo,e não deixava de repreendê-los por alguma coisa errada que descobrisse. Olhava primeiro os defeitos espirituais, depois os exteriores, e por último tratava de remover todas as ocasiões que costumam abrir as portas aos pecados.

Com todo o cuidado e especial solicitude cuidava da santa senhora pobreza. Para impedir que se chegasse a ter coisas supérfluas, não permitia que tivessem em casa a menor vasilha, se fosse possível passar sem ela sem cair na extrema necessidade. Dizia que era impossível satisfazer a necessidade sem condescender com o prazer.

Nunca ou raramente admitiu pratos cozidos. Se os aceitava, muitas vezes misturava-lhes cinza ou lhes tirava o tempero com água fria. Quantas vezes, andando pelo mundo a pregar o Evangelho de Deus, foi convidado para almoçar com importantes príncipes que tinham toda admiração e veneração por ele, e apenas provava os pratos de carne para observar o santo Evangelho, mas ia guardando o resto dentro da roupa, embora parecesse estar comendo. E punha a mão na frente da boca,para que ninguém percebesse o que estava fazendo.

Quanto a tomar vinho, que poderei dizer, se até quando estava morto de sede não admitia beber a água que bastasse?

52. Onde quer que se hospedasse, não permitia que sua cama tivesse colchão e cobertas: era o chão nu que recebia seu corpo despido, em cima da túnica. Nas poucas vezes que permitia a seu frágil corpo o favor do sono, era quase sempre sentado e sem se encostar, usando no lugar do travesseiro algum tronco ou pedra.

Quando, como é natural, tinha desejo de comer, só a custo se permitia satisfazê-lo. Uma vez, estando doente, comeu um bocado de carne de galinha. Logo que recuperou as forças foi até Assis. Chegando à porta da cidade, mandou ao frade que o acompanhava que lhe amarrasse uma corda no pescoço e o conduzisse assim, feito um ladrão, por toda a cidade, clamando como um pregoeiro: "Vejam o comilão que engordou com carne de galinha, que comeu sem vocês saberem". Muita gente correu para ver o estranho espetáculo e se pôs a chorar e a gemer dizendo: "Pobres de nós, que passamos nossa vida cometendo crimes e que saciamos o coração e o corpo com luxúrias e bebedeiras!" E assim, de coração compungido, foram chamados a uma vida melhor por tão grande exemplo.

53. Tinha atitudes dessas com muita freqüência, tanto para desprezar-se com perfeição como para convidar os outros a uma honra que não se acaba. Julgava-se desprezível, sem temor nem preocupação pelo corpo, que expunha valentemente aos maus tratos, para não ser levado por seu amor a cobiçar alguma coisa terrena

Verdadeiro desprezador de si mesmo, sabia ensinar os outros a se desprezarem também, falando e dando exemplo. Resultado: era exaltado por todos e todo mundo o tinha em alta conta, pois só ele mesmo se julgava o mais vil e só ele se desprezava com ardor.

Muitas vezes sentia uma dor imensa quando era venerado por todos e, para se livrar da consideração humana, encarregava alguém de o insultar. Também chamava algum irmão e lhe dizia: "Mando-te por obediência que me injuries com dureza e que digas a verdade contra a mentira dessa gente". E quando o irmão, contra a vontade, o chamava de vilão, mercenário e parasita, respondia sorrindo e aplaudindo bastante: "O Senhor te abençoe porque estás falando as coisas mais verdadeiras. É isso que o filho de Pedro Bernardone precisa ouvir!" Dizia isso para lembrar sua origem humilde.

54. Para mostrar quanto era desprezível e para dar aos outros um exemplo de confissão sincera, quando cometia alguma falta, não se envergonhava de confessá-la na pregação, diante de todo o povo. Até mais: se tinha algum pensamento desfavorável sobre alguém, ou por acaso tivesse dito alguma palavra mais dura, confessava na mesma hora e humildemente o pecado à própria pessoa de quem tinha pensado ou dito mal, e lhe pedia perdão. Mesmo que não pudesse fazer a si mesmo nenhuma censura, pela solicitude com que se guardava, sua consciência não lhe dava descanso enquanto não conseguia curar com bondade a ferida espiritual. Gostava de progredir em todo tipo de empreendimentos,mas não queria aparecer, fugindo à admiração por todos os meios, para não cair na vaidade.

Pobres de nós, que te perdemos, pai digno e exemplo de toda bondade e humildade. Foi merecidamente que te perdemos, porque quando te possuíamos não nos preocupamos em te conhecer!

CAPITULO 20

Seu desejo de martírio leva-o à Espanha e depois à Síria. Por sua intercessão, Deus livra os marinheiros do perigo, multiplicando a comida

55. Ardendo em amor de Deus, o santo pai Francisco sempre quis empreender as coisas mais difíceis, e percorrendo o caminho dos mandamentos do Senhor com o coração aberto, queria atingir o cume da perfeição.

No sexto ano de sua conversão, inflamado em veemente anseio do santo martírio, quis navegar para a Síria, para pregar a fé cristã e a penitência aos sarracenos e outros infiéis. Tomou um navio que ia para lá, mas sopravam ventos contrários e foi parar com os outros navegantes na Esclavônia. Vendo-se frustrado em tão vivo desejo, pediu pouco tempo depois a uns marinheiros que iam para Ancona que o levassem, porque naquele ano quase nenhum navio pôde ir para a Síria. Como eles se recusassem firmemente a levá- lo, porque não podia pagar, o santo confiou muito na vontade do Senhor e entrou escondido no navio com o seu companheiro. Por providência divina, uma pessoa que ninguém conhecia chegou trazendo provisões, chamou um homem temente a Deus que ia no navio e lhe disse: "Leva contigo tudo isto e, quando for necessário, deverás dá-las fielmente aos pobres que estão escondidos nesse navio". E assim aconteceu que, levantando-se uma tempestade enorme, passaram dias lutando com os remos e consumiram todas as provisões, sobrando apenas a comida do pobre Francisco. Mas, pela graça e o poder de Deus, essa comida se multiplicou de tal modo que, embora tenham passado muitos outros dias a navegar, foi suficiente para satisfazer bem a necessidade de todos, até chegarem ao porto de Ancona. Quando os marinheiros perceberam que tinham escapado dos perigos do mar por intermédio do servo de Deus São Francisco, deram graças ao Senhor todo-poderoso, que em seus servidores sempre se mostra bondoso e admirável.

56. Deixando o mar, Francisco, servo de Deus altíssimo, caminhou pela terra e, abrindo-a com o arado da palavra, semeou a semente da vida, produzindo um fruto abençoado. Bem depressa muitos homens de valor, clérigos e leigos, fugindo do mundo e escapando valorosamente ao demônio, por graça e vontade do Altíssimo, seguiram sua vida e seu caminho.

Todavia, embora produzissem frutos abundantes e saborosos, como a palmeira do Evangelho, não bastaram para esfriar a sua decisão sublime do martírio ardentemente desejado. Pois algum tempo depois empreendeu uma viagem ao Marrocos, para pregar o Evangelho de Cristo ao Miramolim e a seus sequazes. Seu entusiasmo era tanto que, às vezes, deixava para trás seu companheiro de viagem, na pressa de realizar seu intento com verdadeira embriaguez espiritual. Mas o bom Deus lembrou-se em sua misericórdia de mim e de muitos outros, e se opôs frontalmente a ele quando já tinha chegado à Espanha, impedindo-o de continuar o caminho por uma doença que o fez voltar atrás.

57. Não fazia muito tempo que tinha voltado a Santa Maria da Porciúncula, quando alguns homens de letras e alguns nobres juntaram-se a ele com grande satisfação. A estes, sempre educado e discreto, tratou com respeito e dignidade, servindo piedosamente a cada um conforme lhe cabia. Dotado de especial discrição, sabia respeitar, em todos, os graus do seu valor.

Mas ainda não podia ficar sossegado, deixando de seguir com fervor o seu sagrado impulso. No décimo terceiro ano de sua conversão, foi para a Síria e, embora recrudescessem cada dia terríveis e duros combates entre cristãos e pagãos, não teve medo de se apresentar ao sultão dos sarracenos, levando um companheiro.

Quem vai poder contar a coragem com que se manteve diante dele, a fortaleza com que falou, a eloqüência e a confiança com que respondeu aos que insultavam a lei cristã? Preso pelos guardas antes de chegar ao sultão, não se assustou nem quando foi ofendido e açoitado, não recuou diante de suplícios e não ficou com medo nem da ameaça de morte. Foi maltratado por muitos que eram hostis e adversos, mas o sultão o recebeu muito bem. Reverenciou-o quanto lhe foi possível e lhe ofereceu muitos presentes, tentando convertê-lo para o espírito mundano. Mas, quando viu que ele desprezava valentemente todas as coisas como se não passassem de esterco, ficou admiradíssimo e olhava para ele como um homem diferente. Ficou muito comovido com suas palavras e o ouviu de muito boa vontade.

Apesar de tudo isso, o Senhor não satisfez o seu desejo, pois lhe estava reservando o privilégio de uma graça especial.

CAPITULO 21

Pregação aos pássaros e obediência das criaturas

58. Enquanto, como dissemos, eram muitos os que se juntavam aos irmãos, o santo pai Francisco percorria o vale de Espoleto. Chegando perto de Bevagna, encontrou uma multidão enorme de pássaros de todas as espécies, como pombas, gralhas e outras que vulgarmente chamam de corvos. Quando os viu, o servo de Deus Francisco, que era homem de grande fervor e tinha um afeto muito grande mesmo pelas criaturas inferiores e irracionais, correu alegremente para eles, deixando os companheiros no caminho. Aproximou-se e vendo que o esperavam sem medo, cumprimentou-os como era seu costume. Mas ficou muito admirado porque as aves não fugiram como fazem sempre e, cheio de alegria, pediu humildemente que ouvissem a palavra de Deus.

Entre muitas outras coisas, disse-lhes o seguinte: Passarinhos, meus irmãos, vocês devem sempre louvar o seu Criador e ama-lo, porque lhes deu penas para vestir, asas para voar e tudo que vocês precisam. Deus lhes deu um bom lugar entre as suas criaturas e lhes permitiu morar na limpidez do ar, pois embora vocês não semeiem nem colham, não precisam se preocupar porque Ele protege e guarda vocês". Quando os passarinhos ouviram isso, conforme ele mesmo e seus companheiros contaram depois, fizeram uma festa à sua maneira, começando a espichar o pescoço, a abrir as asas e a olhar para ele. Ele ia e voltava pelo meio deles roçando a túnica por suas cabeças e corpos. Depois abençoou-os e, fazendo o sinal da cruz, deu-lhes licença para voar. Com os companheiros, o bem-aventurado pai continuou alegre pelo seu caminho, dando graças a Deus, a quem todas as criaturas louvam com humilde reconhecimento.

Como já era um homem simples não pela natureza mas pela graça, começou a acusar-se de negligente por não ter pregado antes para as aves, que tinham ouvido a palavra de Deus com tanto respeito. Daí para frente, passou a exortar com solicitude todos os pássaros, animais, répteis e até as criaturas inanimadas a louvarem e amarem o Criador, já que, por experiência própria, comprovava todos os dias como obedeciam quando invocava o nome do Salvador.

59. Uma vez, chegando ao povoado de Alviano para pregar a palavra de Deus, subiu a um lugar mais alto para poder ser visto por todos e começou a pedir silêncio. Estando todos calados e esperando com respeito, uma porção de andorinhas, que tinham ninho naquele lugar, faziam uma algazarra e muito ruído.

Como não podia ser ouvido pelas pessoas, São Francisco dirigiu-se aos passarinhos dizendo: "Minhas irmãs andorinhas, já está na hora de eu lhes falar também, porque até agora vocês já disseram o suficiente. Ouçam a palavra de Deus e fiquem quietas e caladas até o fim do sermão do Senhor". Para grande espanto e admiração de todos os presentes, os passarinhos logo se aquietaram e não saíram de seus lugares até que a pregação acabou.

Vendo esse sinal, todos diziam, maravilhados: "Na verdade, este homem é um santo e amigo do Altíssimo". E corriam com toda a devoção para pelo menos tocar sua roupa, louvando e bendizendo a Deus. De fato, era para admirar que até as criaturas irracionais fossem capazes de reconhecer o seu afeto para com elas e de pressentir o seu carinho.

60. Numa ocasião em que estava morando no povoado de Greccio, um irmão foi levar-lhe um filhote de lebre que caíra vivo numa armadilha. O santo ficou comovido quando o viu e disse: "Irmã lebre, vem cá. Como é que isso foi acontecer?" O irmão que a segurava soltou-a e ela correu para o santo, encontrando nele o lugar mais seguro, sem que ninguém a obrigasse, e descansou em seu regaço. Depois que tinha descansado um pouquinho, o santo pai, acariciando-a maternalmente, soltou-a para que voltasse livre para o mato. Mas, todas as vezes que era posta no chão, ela voltava para as mãos do santo, até que este mandou que os irmãos a levassem para o bosque ali perto. Coisa parecida aconteceu com um coelho, animal muito pouco doméstico, na ilha do lago de Perusa.

61. Tinha a mesma afeição para com os peixes e, nas oportunidades que teve, devolveu-os à água, aconselhando-os a tomarem cuidado para não serem pescados outra vez. Numa ocasião em que estava numa barca junto ao porto do lago de Rieti, um pescador pegou um peixe muito grande, desses que chamam de tenca, e lhe deu de presente com devoção. O santo recebeu-o com alegria e bondade, começou a chamá-lo de irmão e, colocando-o na água fora da barca, pôs-se a abençoar devotamente o nome do Senhor. Enquanto o santo rezava, o peixe ficou brincando na água, sem se afastar do lugar em que tinha sido posto, até que, no fim da oração, o santo lhe deu licença para ir embora.

Foi assim que o glorioso pai São Francisco, andando pelo caminho da obediência e escolhendo com perfeição o jugo da submissão a Deus, recebeu diante do Senhor a grande dignidade de ser obedecido pelas suas criaturas. Uma vez até a sua água foi mudada em vinho, quando esteve muito doente na ermida de Santo Urbano. Quando o provou, sarou com tanta facilidade que todos acreditaram que era um milagre, como foi de verdade. Só pode ser santa uma pessoa a quem as criaturas obedecem e à cuja vontade até os outros elementos se transformam.

CAPITULO 22

Pregação de São Francisco em Ascoli. Doentes curados por objetos tocados por ele

62. No tempo em que contamos que pregou aos pássaros, andava o santo Pai pelas cidades e povoados e, espalhando as sementes de bênção por toda parte, chegou à cidade de Ascoli. Pregou aí com todo o fervor, como costumava e, pela mão de Deus, o povo quase todo ficou tão cheio de graça e devoção para ouví-lo e vê-lo que se atropelavam uns aos outros. Nessa ocasião, trinta homens, clérigos e leigos, receberam de sua mão o hábito da Ordem.

Tanta era a fé dos homens e das mulheres, e tão grande a devoção pelo santo de Deus, que se tinha por feliz quem conseguia pelo menos tocar-lhe a roupa. Quando entrava em alguma cidade, alegrava-se o clero, os sinos tocavam, exultavam os homens, festejavam as mulheres, as crianças batiam palmas e, muitas vezes, cortando ramos das árvores, iam cantando ao seu encontro.

Cobria-se de confusão a perversa heresia, triunfava a fé da Igreja e, enquanto os fiéis rejubilavam, os hereges se escondiam. Pois nele se viam tantos sinais de santidade que ninguém ousava contradize-lo, porque a multidão só olhava para ele. Ele mesmo insistia acima de tudo na conservação, respeito e prática da dou- trina da santa Igreja Romana, na qual somente está a salvação pa- ra todos. Venerava ossacerdotes e reverenciava com profundo a- feto toda a hierarquia eclesiástica.

63. O povo trazia-lhe pães para benzer e os guardava por muito tempo, porque conseguia a cura de diversas doenças só de prová-los. Também era muito freqüente que, afoitos numa fé exagerada, cortassem a sua túnica, deixando-o às vezes quase sem roupa. E o que é mais de se admirar: se o santo pai tocava alguma coisa, a saúde era devolvida a muitas pessoas através dela.

Uma mulher de um povoado perto de Arezzo estava grávida. Quando chegou o tempo do parto, passou vários dias entre a vida e a morte, com dores incríveis. Seus vizinhos e conhecidos souberam que São Francisco ia passar por ali para ir a uma ermida. Ficaram à sua espera, mas aconteceu que o santo foi para o referido lugar por outro caminho, pois estava muito fraco e doente e teve que ir a cavalo. Mas, ao chegar, mandou um certo Frei Pedro devolver o cavalo ao homem que o emprestara por caridade. Frei Pedro, de volta com o animal, passou pelo caminho em que a mulher estava padecendo. Vendo-o aproximar-se, correram para ele os homens do lugar, pensando que fosse São Francisco. Quando viram que não era, ficaram muito tristes. Finalmente começaram a perguntar um ao outro se poderiam encontrar alguma coisa em que São Francisco tivesse tocado. Demoraram muito tempo procurando e acabaram encontrando as rédeas que ele tinha segurado para cavalgar. Tiraram o freio da boca do cavalo em que o santo pai tinha montado, puseram em cima da mulher as rédeas que ele tinha apertado em suas mãos. Imediatamente, livre de perigo, ela deu à luz com toda alegria e felicidade.

64. Gualfredúcio, um homem religioso, que temia e venerava a Deus com toda a sua família, e morava em Città della Pieve, tinha consigo uma corda que São Francisco já tinha usado em sua cintura. Acontecia que, naquela cidade, muitos homens e não poucas mulheres sofriam de várias doenças e febres. Ele ia à casa de cada um dos doentes, dava-lhes de beber água em que tinha mergulhado a corda ou alguns fiapos e assim, no nome do Senhor, todos conseguiam a saúde.

Coisas desse tipo, e muitas outras, que não poderíamos contar mesmo alongando demais a narração, eram feitas na ausência de São Francisco. Vamos referir brevemente nesta obra alguns milagres que o Senhor nosso Deus se dignou operar em sua presença.

CAPITULO 23

Cura de um coxo em Toscanela e de um paralítico em Narni

65. Percorrendo vastas regiões para anunciar o reino de Deus, chegou São Francisco a uma cidade chamada Toscanela. Enquanto aí espalhava a semente da vida, conforme o seu costume, foi hospedado por um cavaleiro que tinha um filho único, coxo e tão fracoque, embora ainda criança, já tinha passado da idade de mamar mas ainda ficava no berço. O pai, vendo o homem de Deus tão rico em santidade, lançou-se a seus pés com humildade, pedindo a saúde do filho. Julgando-se indigno e incapaz de obter uma graça tão grande, o santo se recusou por muito tempo. Por fim, vencido pela constância dos pedidos, recolheu-se em oração, impôs a mão sobre o menino, abençoou-o e o levantou. Imediatamente, para alegria de todos os que estavam presentes, a criança ficou em pé, curada no nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, e começou a andar por todos os cantos da casa.

66. Numa ocasião em que o homem de Deus, Francisco, esteve em Narni e ali passou alguns dias, um homem da cidade, chamado Pedro, estava de cama, paralítico. Tinha estado assim durante cinco meses, sem poder usar membro nenhum, sem poder levantar-se e nem mesmo se mover. Tendo perdido todo uso dos pés, das mãos e da cabeça, só conseguia mexer a língua e abrir os olhos. Mas, sabendo que São Francisco estava em Narni, mandou recado ao bispo da cidade pedindo que por amor de Deus mandasse o servo do Altíssimo, convencido de só a vista e a presença do santo bastariam para libertá-lo da doença que o prendia. Foi o que aconteceu. Quando São Francisco chegou e lhe fez um sinal da cruz da cabeça aos pés, a doença desapareceu instantaneamente e ele recobrou a saúde perdida.

CAPITULO 24

Restitui a vista a uma cega. Cura as mãos encolhidas
de uma mulher em Gúbio

67. Uma mulher cega da mesma cidade mereceu receber a cura desejada logo que São Francisco lhe fez o sinal da cruz sobre os olhos.

Em Gúbio, havia uma mulher que tinha as duas mãos contraídas, sem poder fazer nada com elas. Quando soube que São Francisco estava na cidade, correu para ele e, com o rosto aflito e cheio de tristeza, mostrando as mãos contraídas, começou a pedir que se dignasse tocá-las. Com pena, ele lhe tocou e curou as mãos. Na mesma hora, voltou toda alegre para casa, fez uma fogaça de queijo com as próprias mãos e a deu de presente ao santo. Bondoso, ele aceitou um pedaço e mandou que a mulher comesse o resto com a família.

CAPITULO 25

Livra um irmão de uma doença epilética, isto é, de um demônio, e uma possessa em San Gemini

68. Um irmão padecia freqüentemente de uma doença muito grave e horrível de se ver, cujo nome não sei e que alguns atribuíam ao demônio. Muitas vezes se debatia todo e ficava com um aspecto miserável, revirando-se e espumando. Seus membros se contraíam e se estendiam, dobravam-se entortados ou ficavam rijos e duros. Às vezes ficava estendido e rígido, juntava os pés e a cabeça, elevava-se no alto até a altura de um homem e de repente caía por terra. Com pena de seu grande sofrimento, São Francisco foi visitá-lo, rezou, fez o sinal da cruz sobre ele e o abençoou. Ficou imediatamente curado e nunca mais teve os sintomas dessa doença.

69. Passando um dia o santo pai Francisco pela diocese de Narni, chegou a um povoado chamado San Gemini. Anunciando aí a palavra de Deus, foi hospedado com outros três frades por um homem que temia e venerava a Deus e tinha muito boa fama naquela terra. Sua mulher era perturbada por um demônio, como era do conhecimento de todos na cidade. O marido pediu a São Francisco por ela, confiando que por seus méritos ela poderia ser libertada. Mas o santo se recusou absolutamente a fazer isso, porque em sua simplicidade preferia o desprezo em lugar dos favores do mundo pela demonstração de santidade. Afinal, porque era para a glória de Deus e muitos estavam pedindo, rendeu-se às súplicas. Chamou os três irmãos que estavam com ele e colocou um em cada ângulo da casa, dizendo-lhes: "Irmãos, oremos ao Senhor por esta mulher, para que Deus a liberte do jugo do demônio, para sua glória e seu louvor. Vamos ficar nos ângulos da casa para que este espírito maligno não nos possa fugir ou enganar, procurando esconderijo nos cantos".

Quando acabou a oração, São Francisco aproximou-se da mulher cheio da virtude do Espírito. Ela se revolvia em convulsões e gritava horrorosamente. Disse o santo: "Em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, mando-te por obediência, ó demônio, que saias dela e jamais te atrevas a molestá-la". Logo que acabou de falar, o demônio saiu tão rápido e com tanto furor e barulho que, pela súbita cura da mulher e pela obediência tão pronta do demônio, o santo pai pensou que tivesse sido enganado. Saiu envergonhado daquele lugar, por disposição da divina providência, para que não pudesse vangloriar-se de alguma coisa.

Numa outra vez que o santo passou pelo mesmo local, Frei Elias estava com ele. Quando aquela mulher soube de sua vinda, saiu imediatamente a correr pela praça, pedindo aos gritos que se dignasse falar com ela. Ele não queria falar, pois sabia que era a mulher de quem tinha expulsado um demônio pela virtude de Deus. Mas ela beijava os rastros de seus pés, dando graças a Deus e a São Francisco seu servo, que a tinha libertado da mão da morte. Finalmente, Frei Elias forçou o santo com seu pedido. Falou com ela e foi certificado por muitos, tanto da doença, como já dissemos, como da cura.

CAPITULO 26

Expulsão de um demônio também em Città di Castello

70. Havia, em Città di Castello, uma mulher possessa do demônio. Estando lá o santo pai Francisco, levaram a mulher à casa em que ele estava. Fora da casa, a mulher começou a ranger os dentes e a uivar com voz espantosa, como é costume dos espíritos imundos. Muitas pessoas daquela cidade, homens e mulheres, foram rogar a São Francisco por aquela infeliz, porque já fazia muito tempo que o espírito maligno perturbava a ela com os seus tormentos e a todos com os seus uivos. O santo pai enviou-lhes então um frade que estava com ele, para provar se era mesmo um demônio ou era fingimento da mulher. Quando o viu, ela começou a rir dele, sabendo que não era absolutamente São Francisco. O pai santo estava rezando lá dentro e, quando terminou a oração, saiu. A mulher começou a tremer e a se virar pelo chão, sem suportar sua virtude. Chamando-a, São Francisco disse: "Ordeno-te em virtude da obediência, espírito imundo, sai dela". Ele a deixou imediatamente, sem lesão alguma, retirando-se muito indignado. Demos graças a Deus todo-poderoso, que é o autor de todas as coisas, sempre.

Mas a nossa intenção não é contar os seus milagres, que só mostram a santidade mas não a constituem. Vamos deixar de lado essas coisas, que seriam mesmo demasiadas, e retomar as obras da salvação eterna, falando da excelência de sua vida e da maneira sincera com que se entregou a Deus.

CAPITULO 27

Clareza e firmeza do pensamento de São Francisco. Pregação diante do Senhor Papa Honório Confia a si mesmo e a seus frades nas mãos de Hugolino, bispo de Ostia

71. O varão de Deus, Francisco, tinha aprendido a buscar não os seus interesses mas o que lhe parecesse servir melhor à salvação dos outros. Acima de tudo, porém, desejava aniquilar-se para estar com Cristo. Por isso, seu esforço maior era manter-se livre de todas as coisas que estão no mundo, para que seu pensamento não tivesse a serenidade perturbada por uma hora sequer de contágio com essa poeira. Tornou-se insensível a todo ruído exterior e se empenhou com todas as forças a dominar os sentidos e coibir as paixões, entregando-se unicamente a Deus. Tinha "sua morada nas fendas das rochas e nas concavidades dos penhascos". Com verdadeira devoção, recolhia-se em casas abandonadas e, esvaziado de si mesmo, residia permanentemente nas chagas do Salvador.

Procurava freqüentemente os lugares desertos para poder dirigir-se de toda alma a Deus mas quando o tempo lhe parecia oportuno não tinha preguiça de se pôr em atividade e de cuidar com boa vontade da salvação do próximo.

Seu porto seguro era a oração, que não era curta, nem vazia ou presunçosa, mas demorada, cheia de devoção e tranqüila na humildade. Se começava à tarde, mal a podia acabar pela manhã. Andando, sentado, comendo ou bebendo, estava entregue à oração. Gostava de passar a noite rezando sozinho em igrejas abandonadas e construídas em lugares desertos, onde, com a proteção da graça de Deus, venceu muitos temores e muitas angústias.

72. Lutava corpo a corpo com o demônio, porque nesses lugares não só o tentava interiormente mas também procurava desanimá-lo com abalos e estardalhaços exteriores. Mas o valente soldado de Cristo sabia que o seu Senhor tinha todo o poder, e não cedia às amedrontações, dizendo em seu coração: "Malvado, as armas da tua malícia não me podem ferir mais aqui do que se estivéssemos em público, na frente de todo mundo".

Na verdade, ele era muito constante e só queria fazer o que era de Deus. Pregando freqüentemente a palavra de Deus a milhares de pessoas, tinha tanta segurança como se estivesse conversando com um companheiro. Olhava a maior das multidões como se fosse uma só pessoa e falava a cada pessoa com todo o fervor como se fosse uma multidão. A segurança que tinha para falar era resultado de sua pureza de coração, pois, mesmo sem se preparar, falava coisas admiráveis, que ninguém jamais tinha ouvido. Se, diante do povo reunido, não se lembrava do que tinha preparado e não sabia falar de outra coisa, confessava candidamente que tinha preparado muitas coisas e não estava conseguindo lembrar nada. De repente, enchia-se de tanta eloqüência que deixava admirados os ouvintes. Mas houve ocasiões em que não conseguiu dizer nada, deu a bênção e, só com isso, despediu o povo com a melhor das pregações.

73. Uma vez teve que ir a Roma por causa da Ordem e sentiu muita vontade de falar diante do Papa Honório e dos veneráveis cardeais. Sabendo disso, Dom Hugolino, o glorioso bispo de Óstia, que tinha uma especial amizade pelo santo de Deus, ficou cheio de temor e de alegria, porque admirava o fervor do santo mas também sabia como era simples. Apesar disso, confiando na misericórdia do Todo-poderoso, que no tempo da necessidade nunca falta aos que o veneram com piedade, apresentou-o ao Papa e aos eminentíssimos cardeais.

Diante dos importantes príncipes, o santo pediu a licença e a bênção e começou a falar com toda a intrepidez. Falava com tanta animação que, não se podendo conter de alegria, dizia as palavras com a boca e movia os pés como se estivesse dançando, não com malícia mas ardendo no fogo do amor de Deus: por isso não provocou risadas, mas arrancou o pranto da dor. De fato, admirados pela graça de Deus e a segurança desse homem, muitos deles ficaram compungidos de coração. Entretanto, receoso, o venerável bispo de Ostia rezava fervorosamente ao Senhor para que a simplicidade do santo homem não fosse desprezada, porque isso resultaria em desonra para ele, que tinha sido constituído pai de sua família.

74. Porque São Francisco se ligara a ele como um filho ao pai e como um filho único à sua mãe, achando que em seus braços podia descansar e dormir tranqüilo. Ele assumira e exercia o cargo de pastor, e deixava o título para o santo. O bem-aventurado pai cuidava do que era necessário, mas o hábil senhor fazia com que tudo fosse realizado. Quantas pessoas, especialmente no princípio, tentaram acabar com a implantação da Ordem! Quantos procuraram sufocar a vinha escolhida que a mão do Senhor tinha plantado havia pouco neste mundo! Quantos tentaram roubar e consumir seus primeiros e melhores frutos! Mas todos foram vencidos e desbaratados pelo eminentíssimo cardeal. Ele era um verdadeiro rio de eloqüência, bastião da Igreja, defensor da verdade e protetor dos humildes. Bendito e memorável o dia em que o santo se confiou a tão venerável senhor.

Numa das muitas vezes em que o cardeal foi mandado como legado da Sé Apostólica à Toscana, São Francisco, que ainda não tinha muitos frades e queria ir à França, passou por Florença, onde morava nesse tempo o referido bispo. Ainda não estavam unidos por especial amizade, mas a fama de uma vida santa tinha unido os dois em mútuo afeto.

75. Como era costume de São Francisco visitar os bispos e padres logo que chegava a alguma cidade ou região, quando soube da presença de um bispo tão importante, apresentou-se com a maior reverência. O bispo o recebeu com muita devoção, como fazia sempre com todos os que pretendiam viver a vida religiosa e principalmente com os que levavam o estandarte da santa pobreza e humildade. Como era solícito em ajudar as necessidades dos pobres e se interessava pessoalmente por seus problemas, quis saber atenciosamente os motivos da visita do santo e escutou com muita bondade as seus projetos. Ao vê-lo desprendido como ninguém dos bens terrenos e tão abrasado no fogo que Jesus trouxe ao mundo, seu coração se juntou desde esse momento ao coração dele, pediu-lhe orações com devoção e lhe ofereceu com prazer sua proteção. Aconselhou-o por isso a desistir da viagem para cuidar de guardar aqueles que o Senhor lhe confiara, com vigilante solicitude.

Quando viu toda essa generosidade, bondade e decisão em tão ilustre personagem, São Francisco teve uma alegria enorme, lançou-se a seus pés e lhe confiou devotamente sua própria pessoa e os seus frades.

CAPITULO 28

Caridade e compaixão para com os pobres. O que fez por uma ovelha e uns cordeirinhos

76. Pai dos pobres, o pobre Francisco queria viver em tudo como um pobre; sofria ao encontrar quem fosse mais pobre do que ele, não por vanglória mas por íntima compaixão. Não tinha mais do que uma túnica pobre e áspera, mas muitas vezes quis dividí-la com algum necessitado..

Movido de enorme piedade, no tempo de maior frio, esse pobre riquíssimo pedia aos ricos deste mundo que lhe emprestassem mantos ou peles para poder ajudar os pobres em todas as partes. E como eles o atendiam com devoção e com maior boa vontade do que a do santo pai aos lhes pedir, ele dizia: "Eu recebo isto com a condição de vocês não ficarem esperando devolução". E logo que encontrava um pobre ia todo alegre cobri-lo com o que tivesse recebido.

Doía-lhe muito ver algum pobre sendo ofendido, ou ouvir alguém dizendo palavras de maldição para qualquer outra criatura. Aconteceu que um irmão disse uma palavra má a um pobre que pedia esmolas, pois lhe falou: "Veja lá que você não seja um rico que está se fingindo de pobre". Ouvindo isso, o pai dos pobres, São Francisco, teve uma dor muito grande e repreendeu o frade com dureza. Mandou que se despisse diante do pobre, beijasse os pés dele e lhe pedisse desculpas. Costumava dizer: "Quem amaldiçoa um pobre injuria o próprio Cristo, de quem é sinal, pois ele se fez pobre por nós neste mundo". Por isso era frequente que, ao ver algum pobre carregando lenha ou outra carga, ajudasse com seus próprios ombros, tão fracos.

77. Tinha tanta caridade que seu coração se comovia não só com as pessoas que passavam necessidade mas também com os animais sem fala nem razão, os répteis, os pássaros e as outras criaturas sensíveis e insensíveis. Mas, entre todos os animais, tinha uma predileção pelos cordeirinhos, porque a humildade de Nosso Senhor Jesus Cristo foi comparada muitas vezes na Bíblia à do cordeiro, e com muito acerto. Gostava de ver e de tratar com carinho todas as criaturas, principalmente aquelas em que podia descobrir alguma semelhança alegórica com o Filho de Deus.

Numa ocasião em que viajava pela Marca de Ancona e tinha pregado a palavra de Deus nessa cidade, dirigiu-se a O'simo com o senhor Paulo, a quem tinha constituído ministro de todos os frades naquela província. Encontrou no campo um pastor apascentando um rebanho de cabras e bodes. No meio das cabras e dos bodes havia uma ovelhinha, a andar humildemente pastando sossegada.

Vendo-a, São Francisco estacou e, com o coração tocado por uma dor interior, deu um suspiro alto e disse ao irmão que o acompanhava: "Não estás vendo essa ovelha mansa no meio das cabras e bodes? Era desse jeito que Nosso Senhor Jesus Cristo andava, manso e humilde, no meio dos fariseus e dos príncipes dos sacerdotes. Por isso eu te peço por caridade, meu filho, que te compadeças dessa ovelhinha comigo, e a compres, para podermos tirá-la do meio dessas cabras e bodes.

78. Admirando sua dor, Frei Paulo também ficou com pena, mas não sabiam como fazer para pagar, porque não tinham nada além das pobres túnicas que vestiam. Nisso, passou um negociante e lhes ofereceu o preço que queriam. Deram graças a Deus, receberam a ovelha e chegaram a Ósimo, onde se apresentaram ao bispo da cidade. Este os recebeu com muita devoção e ficou muito admirado com a ovelha que o santo levava e com o carinho que lhe demonstrava. Mas o servo de Cristo inventou uma longa parábola sobre a ovelha, e o bispo, com o coração tocado pela sua simplicidade, deu graças a Deus.

No dia seguinte, saiu da cidade. Pensando no que devia fazer com a ovelha, seguiu o conselho de seu companheiro e irmão e a confiou à guarda de um convento de irmãs em São Severino. As veneráveis servas de Cristo receberam a ovelha como um grande presente de Deus. Cuidaram dela por muito tempo e com sua lã fizeram uma túnica que mandaram levar ao pai São Francisco em Santa Maria da Porciúncula, por ocasião de um capítulo. O santo a recebeu com muita reverência e alegria, beijou-a e convidou todos os presentes a se alegrarem com ele.

79. Numa outra vez em que passou pela Marca, seguido alegremente pelo mesmo companheiro, encontrou um homem que levava para uma feira dois cordeirinhos amarrados e presos ao seu ombro. Ao ouvi-los balir, São Francisco se comoveu, aproximou-se e demonstrou sua compaixão, acariciando-os como uma mãe com o filho que chora. E disse ao homem:

- "Por que estás maltratando desse jeito os meus irmãozinhos, assim amarrados e pendurados?"

- "Vou levá-los para vender na feira, porque preciso do dinheiro".

- "E o que vai acontecer com eles depois?"

- "Quem comprar vai matá-los e comer".

- "De jeito nenhum, isso não vai acontecer. Leva como pagamento a minha capa e me dá os cordeiros".

O homem entregou os animaizinhos com muita alegria e recebeu a capa, que valia muito mais e que o santo tinha recebido emprestada de um homem piedoso naquele mesmo dia, para se defender do frio. O santo, quando recebeu os cordeirinhos, ficou pensando o que fazer com eles. Seguindo o conselho do irmão que o acompanhava, devolveu-os ao mesmo homem para cuidar deles, mandando-lhe que nunca os vendesse nem lhes fizesse mal algum, mas que os conservasse, alimentasse e tratasse com carinho.

CAPITULO 29

Seu amor pelo Criador em todas as criaturas. Descrição de sua personalidade e de seu aspecto exterior

80. Seria muito longo e praticamente impossível enumerar e descrever tudo que o glorioso pai São Francisco fez e ensinou durante a sua vida. Como contar o afeto que tinha para com todas as coisas de Deus? Quem seria capaz de mostrar a doçura que sentia quando contemplava nas criaturas a sabedoria, o poder e a bondade do Criador? Ao ver o sol, a lua, as estrelas e o firmamento, enchia-se muitas vezes de alegria admirável e inaudita. Piedade simples,simplicidade piedosa!

Tinha um amor enorme até pelos vermes, por ter lido sobre o Salvador: Sou um verme e não um homem. Recolhia-os por isso no caminho e os colocava em lugar seguro, para não serem pisados pelos que passavam. Que poderei dizer mais sobre as outras criaturas inferiores, se até para as abelhas, para que não desfalecessem no rigor do frio, fazia dar mel ou um vinho de primeira? A operosidade e o engenho das abelhas exaltavam-no a tão grande louvor de Deus que muitas vezes passou o dia louvando a elas e às outras criaturas.

Como os três jovens de antigamente, colocados na fornalha em brasa, sentiram-se convidados por todos os elementos para louvar e glorificar o Criador de todas as coisas, também este homem, cheio do espírito de Deus, não cessava de glorificar, louvar e bendizer o Criador e Conservador do universo por meio de todos os elementos e criaturas.

81. Que alegria a sua diante das flores, ao admirar-lhes a delicada forma ou aspirar o suave perfume! Passava imediatamente a pensar na beleza daquela flor que brotou da raiz de Jessé no tempo esplendoroso da primavera e com seu perfume ressuscitou milhares de mortos. Quando encontrava muitas flores juntas, pregava para elas e as convidava a louvar o Senhor como se fossem racionais. Da mesma maneira, convidava com muita simplicidade os trigais e as vinhas, as pedras, os bosques e tudo que há de bonito nos campos, as nascentes e tudo que há de verde nos jardins, a terra e o fogo, o ar e o vento, para que tivessem muito amor e louvassem generosamente ao Senhor.

Afinal, chamava todas as criaturas de irmãs, intuindo seus segredos de maneira especial, por ninguém experimentada, porque na verdade parecia já estar gozando a liberdade gloriosa dos filhos de Deus. Na certa, ó bom Jesus, ele que na terra cantava o vosso amor a todas as criaturas, estará agora a louvar-vos nos céus com os anjos porque sois admirável.

82. É impossível compreender quanto se comovia quando pronunciava vosso nome, Senhor santo! Parecia um outro homem, um homem de outro mundo, todo cheio de júbilo e do mais puro prazer. Por isso, onde quer que encontrasse algum escrito, de coisas divinas ou humanas, na rua, em casa ou no chão, recolhia-o com todo o respeito e o colocava em algum lugar sagrado ou decente, pensando que poderia referir-se ao Senhor ou conter seu santo nome.

Um dia, um frade lhe perguntou por que recolhia com igual apreço os escritos dos pagãos, onde não estava o nome do Senhor, e ele respondeu: "Meu filho, contêm as letras com que se escreve o gloriosíssimo nome do Senhor. O que há de bom neles não pertence aos pagãos nem a ninguém em particular, mas somente a Deus, 'de quem são todos os bens'". Outra coisa admirável é que, quando mandava escrever alguma carta de cumprimentos ou conselhos, não permitia que se apagasse alguma letra ou sílaba, mesmo que fosse supérflua ou errada.

83. Como era bonito, atraente e de aspecto glorioso na inocência de sua vida, na simplicidade das palavras, na pureza do coração, no amor de Deus, na caridade fraterna, na obediência ardorosa, no trato afetuoso, no aspecto angelical! Tinha maneiras finas, era sereno por natureza e de trato amável, muito oportuno quando dava conselhos, sempre fiel em suas obrigações, prudente no julgar, eficaz no agir e em tudo cheio de elegância. Sereno na inteligência, delicado, sóbrio, contemplativo, constante na oração e fervoroso em todas as coisas. Firme nas resoluções, equilibrado, perseverante e sempre o mesmo. Rápido para perdoar e demorado para se irar, tinha a inteligência pronta, uma memória luminosa, era sutil ao falar, sério em suas opções e sempre simples. Era rigoroso consigo mesmo, paciente com os outros, discreto com todos.

Muito eloqüente, tinha o rosto alegre e o aspecto bondoso, era diligente e incapaz de ser arrogante. Era de estatura um pouco abaixo da média, cabeça proporcionada e redonda, rosto um tanto longo e fino, testa plana e curta, olhos nem grandes nem pequenos, negros e límpidos, cabelos castanhos, pestanas retas, nariz proporcional, delgado e reto, orelhas levantadas mas pequenas, têmporas achatadas, língua pacificadora, ardente e penetrante, voz forte, doce, clara e sonora, dentes unidos, alinhados e brancos, lábios pequenos e delgados, barba preta e um tanto rala, pescoço esguio, ombros retos, braços curtos, mãos delicadas, dedos longos, unhas compridas, pernas delgadas, pés pequenos, pele fina, enxuto de carnes. Vestia-se rudemente, dormia pouco e era muito generoso.

E como era muito humilde, mostrava toda a mansidão para com todas as pessoas, adaptando-se a todos com facilidade. Embora fosse o mais santo de todos, sabia estar entre os pecadores como se fosse um deles.

Pai santíssimo que amas os pecadores, ajuda-os! Com tua poderosa intercessão e cheio de misericórdia, digna-te levantar os que vês prostrados na abjeção dos pecados.

CAPITULO 30

Prepara um presépio no dia de Natal

84. Sua maior aspiração, seu mais vivo desejo e mais elevado propósito era observar o Evangelho em tudo e por tudo, imitando com perfeição, atenção, esforço, dedicação e fervor os "passos de Nosso Senhor Jesus Cristo no seguimento de sua doutrina". Estava sempre meditando em suas palavras e recordava seus atos com muita inteligência. Gostava tanto de lembrar a humildade de sua encarnação e o amor de sua paixão, que nem queria pensar em outras coisas.

Precisamos recordar com todo respeito e admiração o que fez no dia de Natal, no povoado de Greccio, três anos antes de sua gloriosa morte. Havia nesse lugar um homem chamado João, de boa fama e vida ainda melhor, a quem São Francisco tinha especial amizade porque, sendo muito nobre e honrado em sua terra, desprezava a nobreza humana para seguir a nobreza de espírito. Uns quinze dias antes do Natal, São Francisco mandou chamá-lo, como costumava fazer, e disse: "Se você quiser que celebremos o Natal em Greccio, é bom começar a preparar diligentemente e desde já o que eu vou dizer. Quero lembrar o menino que nasceu em Belém, os apertos que passou, como foi posto num presépio, e contemplar com os próprios olhos como ficou em cima da palha, entre o boi e o burro". Ouvindo isso, o homem bom e fiel correu imediatamente e preparou no lugar indicado o que o santo tinha pedido.

85. E veio o dia da alegria, chegou o tempo da exultação. De muitos lugares foram chamados os irmãos. Homens e mulheres do lugar, coração em festa, prepararam como puderam tochas e archotes para iluminar a noite que tinha iluminado todos os dias e anos com sua brilhante estrela. Por fim, chegou o santo e, vendo tudo preparado, ficou satisfeito. Fizeram um presépio, trouxeram palha, um boi e um burro. Greccio tornou-se uma nova Belém, honrando a simplicidade, louvando a pobreza e recomendando a humildade.

A noite ficou iluminada como o dia: era um encanto para os homens e para os animais. O povo foi chegando e se alegrou com o mistério renovado em uma alegria toda nova. O bosque ressoava com as vozes que ecoavam nos morros. Os frades cantavam, dando os devidos louvores ao Senhor e a noite inteira se rejubilava. O santo estava diante do presépio a suspirar, cheio de piedade e de alegria. A missa foi celebrada ali mesmo no presépio, e o sacerdote sentiu uma consolação jamais experimentada.

86. O santo vestiu dalmática, porque era diácono, e cantou com voz sonora o santo Evangelho. De fato, era "uma voz forte, doce, clara e sonora", convidando a todos às alegrias eternas. Depois pregou ao povo presente, dizendo coisas doces como o mel sobre o nascimento do Rei pobre e sobre a pequena cidade de Belém. Muitas vezes, quando queria nomear Cristo Jesus, chamava-o também com muito amor de "menino de Belém", e pronunciava a palavra "Belém" como o balido de uma ovelha, enchendo a boca com a voz e mais ainda com a doce afeição. Também estalava a língua quando falava "menino de Belém" ou "Jesus", saboreando a doçura dessas palavras.

Multiplicaram-se nesse lugar os favores do Todo-Poderoso, e um homem de virtude teve uma visão admirável. Pareceu-lhe ver deitado no presépio um bebê sem vida, que despertou quando o santo chegou perto. E essa visão veio muito a propósito, porque o menino Jesus estava de fato esquecido em muitos corações, nos quais, por sua graça e por intermédio de São Francisco, ele ressuscitou e deixou a marca de sua lembrança. Quando terminou a vigília solene, todos voltaram contentes para casa.

87. Guardaram a palha usada no presépio para que o Senhor curasse os animais, da mesma maneira que tinha multiplicado sua santa misericórdia. De fato, muitos animais que padeciam das mais diversas doenças naquela região comeram daquela palha e ficaram curados. Mais: mulheres com partos longos e difíceis tiveram um resultado feliz colocando sobre si mesmas um pouco desse feno. Da mesma sorte, muitos homens e mulheres conseguiram a cura das mais variadas doenças.

O presépio foi consagrado a um templo do Senhor e no próprio lugar da manjedoura construíram um altar em honra de nosso pai São Francisco e dedicaram uma igreja, para que, onde os animais já tinham comido o feno, passassem os homens a se alimentar, para salvação do corpo e da alma, com a carne do cordeiro imaculado e incontaminado, Jesus Cristo nosso Senhor, que se ofereceu por nós com todo o seu inefável amor e vive com o Pai e o Espírito Santo eternamente glorioso por todos os séculos dos séculos. Amém. Aleluia, Aleluia.

Termina aqui o primeiro livro da vida e atos de São Francisco.