PRIMEIRA VIDA

DE SÃO FRANCISCO

Tomás de Celano

parte segunda

SEGUNDO LIVRO

Começa o segundo livro, que narra apenas os dois últimos anos e a morte feliz de nosso bem-aventurado pai

CAPITULO 1

Teor desta parte. Morte ditosa do Santo Seu exemplo de perfeição.

88. Na primeira parte de nossa obra, que com a graça de Deus levamos a bom termo, escrevemos tudo que pudemos para narrar a vida e os atos de nosso bem-aventurado pai São Francisco até o décimo oitavo ano de sua conversão. Nesta parte, consignaremos com brevidade os outros fatos dos últimos dois anos de sua vida, conforme nos foi possível averiguar. Queremos anotar só os pontos mais necessários, para que os outros que desejem contar alguma coisa tenham sempre a possibilidade de fazê-lo.

No ano de 1226 da Encarnação do Senhor, na indicção XIV, domingo, dia 4 de outubro, em Assis, sua terra, e na Porciúncula, onde fundara a Ordem dos Frades Menores, tendo completado vinte anos de perfeita adesão a Cristo e de seguimento da vida apostólica, nosso bem aventurado pai Francisco saiu do cárcere do corpo e voou todo feliz para as habitações dos espíritos celestiais, terminando com perfeição o que tinha empreendido. Seu santo corpo foi exposto e reverentemente sepultado com hinos de louvor nessa mesma cidade, onde brilha em seus milagres para a glória do Todo-Poderoso. Amém.

89. Tendo recebido pouca ou nenhuma instrução no caminho do Senhor e em seu conhecimento desde a adolescência, passou algum tempo na ignorância natural e no ardor das paixões, mas foi justificado de seu pecado por uma intervenção da mão de Deus, e pela graça e virtude do Altíssimo foi cumulado com a sabedoria de Deus mais do que todos os homens que viveram em seu tempo.

Em meio do aviltamento não parcial mas geral em que jazia a pregação do Evangelho por causa dos costumes daqueles que o pregavam, ele foi enviado por Deus como os apóstolos, para dar testemunho da verdade em todo o mundo. E foi assim que o seu ensinamento mostrou com evidência que a sabedoria do mundo era loucura, e em pouco tempo, sob a orientação de Cristo, mudou os homens para a sabedoria de Deus pela simplicidade de sua pregação.

Como um dos rios do paraíso, este novo evangelista dos últimos tempos irrigou o mundo inteiro com as fontes do Evangelho e pregou com o exemplo o caminho do Filho de Deus e a doutrina da verdade. Nele e por ele, o mundo conheceu uma alegria inesperada e uma santa novidade: a velha árvore da religião viu reflorir seus ramos nodosos e raquíticos. Um espírito novo reanimou o coração dos escolhidos e neles derramou a unção de salvação ao surgir o servo de Cristo como um astro no firmamento, irradiando uma santidade nova e prodígios inauditos.

Por ele renovaram-se os antigos milagres, quando foi plantada no deserto deste mundo, com um sistema novo mas à maneira antiga, a videira frutífera, que dá flores com o suave perfume das santas virtudes e estende por toda parte os ramos da santa religiosidade.

90. Embora fraco como qualquer um de nós, Francisco não se contentou com a observância dos preceitos comuns, mas, cheio de ardente caridade, partiu pelo caminho da perfeição, atingiu o cume da santidade e contemplou o termo de toda realização.

É por isso que todas as classes, sexos e idades têm nele uma prova evidente da doutrina salutar e também um exemplo preclaro de todas as boas obras. Os que pretendem empreender coisas de valor e aspiram aos carismas melhores do caminho da perfeição podem olhar no espelho de sua vida e aprender tudo que é melhor. Os que pretendem coisas mais humildes e simples, com medo das dificuldades eda montanha, também podem encontrar nele conselhos adaptados ao seu nível. Mesmo os que desejam apenas sinais e milagres podem buscar sua santidade e alcançarão o que desejam.

Sua vida gloriosa faz brilhar a santidade dos santos antigos com uma luz mais clara. Prova cabal é seu amor à paixão de Jesus Cristo e a sua cruz. De fato, nosso pai venerável foi marcado nas cinco partes do corpo pelo sinal da paixão e da cruz, como se tivesse sido pregado na cruz com o Filho de Deus. Este sacramento é grande e indica a grandeza de seu particular amor. Mas acreditamos que exista nesse fato um plano oculto, um mistério escondido, que só Deus conhece e que o próprio santo só revelou a uma pessoa, e em parte. Por isso, não adianta insistir muito em elogios, porque seu louvor vem daquele que é o louvor de todas as coisas, fonte de toda glória e que concede os prêmios da luz.

Bendigamos a Deus que é santo, verdadeiro e glorioso, e continuemos a história.

CAPITULO 2

O maior desejo de São Francisco. Compreende a vontade de Deus a seu respeito ao abrir o livro

91. Certa ocasião, o bem-aventurado e venerável pai São Francisco afastou-se das multidões que todos os dias acorriam cheias de devoção para vê-lo e ouví-lo e procurou um lugar calmo, secreto e solitário para poder se entregar a Deus e limpar o pó que pudesse ter adquirido no contacto com as pessoas. Costumava dividir o tempo que tinha recebido para merecer a graça de Deus e, conforme a oportunidade, consagrar uma parte ao auxílio do próximo e outra à contemplação no retiro.

Por isso levou consigo muito poucos companheiros, os que melhor conheciam sua vida santa, para que o protegessem da invasão e da perturbação das pessoas, e para que preservassem com amor o seu recolhimento.

Passado algum tempo nesse lugar e tendo conseguido, por uma oração contínua e uma contemplação freqüente, uma inefável familiaridade com Deus, teve vontade de saber o que o Rei eterno mais queria ou podia querer dele. Buscava com afã e desejava com devoção saber de que modo, por que caminho e com que desejos poderia aderir com maior perfeição ao Senhor Deus segundo a inspiração e o beneplácito de sua vontade. Essa foi sempre a sua mais alta filosofia, seu maior desejo, em que ardeu enquanto durou sua vida: gostava de perguntar aos simples e aos sábios, aos perfeitos e aos imperfeitos como poderia chegar ao caminho da verdade e atingir metas cada vez mais elevadas.

92. Embora fosse perfeitíssimo entre os mais perfeitos, não o reconhecia e se julgava absolutamente imperfeito. Já tinha provado e visto como é doce, suave e bom o Deus de Israel para os que são retos de coração e o procuramna verdadeira simplicidade.

Doçura e suavidade, que a tão poucos são dadas mas que a ele tinham sido infundidas do alto, arrancavam-no de si mesmo e lhe davam tanto prazer que desejava de qualquer maneira passar de uma vez para o lugar onde uma parte dele já estava vivendo. Possuindo o espírito de Deus, estava pronto a suportar todas as angústias, a tolerar todas as paixões, contanto que lhe fosse dada a possibilidade de cumprir-se nele, misericordiosamente, a vontade do Pai celestial.

Dirigiu-se um dia ao altar construído na ermida em que estava e, com toda a reverência, depositou sobre ele o livro dos Evangelhos. Depois, prostrado em oração, não menos com o coração do que com o corpo, pediu humildemente que o Deus de bondade, Pai das misericórdias e Deus de toda consolação, se dignasse mostrar-lhe sua vontade. E para poder levar a termo perfeito o que tinha começado com simplicidade e devoção, suplicou a Deus que lhe indicasse o que era mais oportuno fazer logo que abrisse o livro pela primeira vez. Imitava, assim, o exemplo de outros homens santos e perfeitos que, conforme lemos, levados por sua devoção no desejo da santidade, tinham procedido semelhantemente.

93. Terminada a oração, levantou-se com espírito humilde e ânimo contrito, fez o sinal da santa cruz, tomou o livro do altar e o abriu com reverência e temor. A primeira coisa que se lhe deparou ao abrir o livro foi a paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, no ponto que anunciava as tribulações por que deveria passar. Mas, para que ninguém pudesse suspeitar de que isso tivesse acontecido por acaso, abriu o livro mais duas vezes, e encontrou a mesma coisa ou algo parecido. Cheio do Espírito Santo, compreendeu que deveria entrar no reino de Deus depois de passar por muitas tribulações, muitas angústias e muitas lutas.

Mas o valente soldado não se perturbou com a guerra iminente nem desanimou de enfrentar os combates do Senhor nas fortalezas deste mundo. Não temeu sucumbir ao inimigo, ele que não cedia nem a si mesmo, apesar de ter sustentado por muito tempo fadigas superiores a todas as forças humanas. Estava cheio de fervor e, se houve no passado alguém que o igualasse nos bons propósitos, ainda não se encontrou ninguém que o igualasse no desejo. Porque também tinha mais facilidade para fazer as coisas perfeitas do que para louvá-las, e empenhou esforço e ação nas boas obras, não apenas nas palavras. Por isso estava sempre alegre e tranquilo, entoando no coração cânticos de júbilo para si mesmo e para Deus. Também mereceu uma revelação maior, ele que tanto se alegrara com coisas bem menores, como o servo fiel nas coisas pequenas que foi colocado acima de outras maiores.

CAPITULO 3

Aparição do Serafim crucificado

94. Dois anos antes de entregar sua alma ao céu, estando no eremitério que, por sua localização, tem o nome de Alverne, Deus lhe deu a visão de um homem com a forma de um Serafim de seis asas, que pairou acima dele com os braços abertos e os pés juntos, pregado numa cruz. Duas asas elevavam-se sobre a cabeça, duas abriam-se para voar e duas cobriam o corpo inteiro.

Ao ver isso, o servo do Altíssimo se encheu da mais infinita admiração, mas não compreendia o sentido. Experimentava um grande prazer e uma alegria enorme pelo olhar bondoso e amável com que o Serafim o envolvia. Sua beleza era indizível, mas o fato de estar pregado na cruz e a crueldade de sua paixão atormentavam-no profundamente.

Levantou-se triste e alegre ao mesmo tempo, se isso se pode dizer, alternando em seu espírito sentimentos de gozo e de padecimento. Tentava descobrir o significado da visão e seu espírito estava muito ansioso para compreender o seu sentido. Estava nessa situação, com a inteligência sem entender coisa alguma e o coração avassalado pela visão extraordinária, quando começaram a aparecer-lhe nas mãos e nos pés as marcas dos quatro cravos, do jeito que as vira pouco antes no crucificado.

95. Suas mãos e seus pés pareciam atravessados bem no meio pelos cravos, sobressaindo as cabeças no interior das mãos e em cima dos pés, e as pontas do outro lado. Os sinais eram redondos nas palmas das mãos e longos no lado de fora, deixando ver um pedaço de carne como se fossem pontas de cravo entortadas e rebatidas, saindo para fora da carne. Havia marcas dos cravos também nos pés, ressaltadas na carne. No lado direito, que parecia atravessado por uma lança, estendia-se uma cicatriz que freqüentemente soltava sangue, de maneira que sua túnica e suas calças estavam muitas vezes banhadas naquele sangue bendito.

Infelizmente, foram muito poucos os que mereceram ver a ferida sagrada do seu peito, enquanto viveu crucificado o servo do Senhor crucificado! Feliz foi Frei Elias, que teve algum jeito de vê-la durante a vida do santo. Não menos afortunado foi Frei Rufino, que a tocou com suas próprias mãos. Porque, num dia em que lhe friccionava o peito, sua mão escorregou casualmente para o lado direito e tocou a preciosa cicatriz. A dor que o santo sentiu foi tão grande que afastou a mão e gritou pedindo a Deus que o poupasse.

Pois tinha muito cuidado em esconder essas coisas dos estranhos, e ocultava-as mesmo dos mais chegados, de maneira que até os irmãos que eram seus companheiros e seguidores mais devotados não souberam delas por muito tempo.

E o servo e amigo do Altíssimo, embora se visse ornado com jóias tão importantes como pedras preciosíssimas e assim destacado espetacularmente acima da glória e da honra de todos os homens, não se desvaneceu em seu coração nem procurou por causa disso comprazer-se em alguma vanglória. Pelo contrário, para que o favor humano não lhe roubasse a graça recebida, procurou escondê-la de todos os modos possíveis.

96. Tinha decidido não revelar a quase ninguém o seu segredo extraordinário, temendo que, como costumam fazer os privilegiados, contassem a outros para mostrar como eram amigos, e isso resultasse em detrimento da graça que tinha recebido. Por isso guardava sempre em seu coração e repetia aquela frase do profeta: "Escondi tuas palavras em meu coração, para não pecar contra ti". Tinha até combinado um sinal com seus irmãos e filhos: quando queria interromper a conversa de pessoas de fora que o visitavam, recitava aquele versículo e eles tratavam de despedi-las delicadamente.

Sabia por experiência como fazia mal contar tudo a todos e que não pode ser homem espiritual quem não possui em seu coração outros segredos, mais profundos do que os que podem ser lidos no rosto e julgados por qualquer pessoa. Tinha percebido que algumas pessoas concordavam com ele por fora e discordavam por dentro, aplaudiam na frente e riam-se por trás, levando-o a julgar os outros e até a suspeitar de pessoas irrepreensíveis.

Infelizmente, muitas vezes deixamos de acreditar na sinceridade de poucos porque a maldade procura denegrir o que é puro e porque a mentira se tornou natural para a maioria.

CAPITULO 4

Fervor de São Francisco. Sua doença dos olhos.

97. Por esse tempo, seu corpo começou a padecer diversas doenças, mais graves do que as que já sofrera. Ele sempre tivera alguma enfermidade, pois tinha castigado duramente o corpo, por muitos anos, para reduzi-lo à servidão. Durante dezoito anos completos, seu corpo não tivera quase nenhum descanso, pois tinha andado por várias e extensas regiões, lançando por toda parte as sementes da palavra de Deus com aquele espírito decidido, devoto e fervente que nele residia. Tinha enchido a terra inteira com o Evangelho de Cristo: num só dia chegava a passar por quatro ou cinco povoados, ou mesmo cidades, anunciando a todos o Reino de Deus, e edificando os ouvintes tanto pela palavra como pelo exemplo, pois toda a sua pessoa era uma língua que pregava.

Sua carne estava tão de acordo e obedecia de tal forma ao seu espírito que, enquanto ele procurava atingir a santidade, o corpo não só não impedia mas até corria na frente, de acordo com o que está escrito: "Minha alma teve sede de vós, e o meu corpo mais ainda". A sujeição já era tão costumeira que se tornara voluntária, e pela humilhação diária tinha conquistado toda essa virtude, porque muitas vezes o hábito passa a ser uma segunda natureza.

98. Mas, como é uma lei inelutável da natureza e da condição humana que o homem exterior vá perecendo cada dia, enquanto a interioridade se renova sem cessar, aquele vaso preciosíssimo, em que estava o tesouro escondido, começou a ceder por todos os lados e a se ressentir da perda de forças. Entretanto, "quando o homem crê estar no fim, é então que começa", seu espírito se tornava mais disposto na medida em que a carne estava mais fraca. Tão vivo era seu zêlo pela salvação das almas e tão grande sua sede pelo bem do próximo que, quando não podia mais andar, percorria as terras montado num jumento.

Os frades lhe pediam constantemente que desse um pouco de alívio ao corpo enfermo e tão debilitado, recorrendo ao auxílio dos médicos. Mas ele, com seu nobre espírito voltado para o céu, desejando apenas dissolver-se para estar com Cristo, recusava-se terminantemente a isso. Entretanto, como não tinha completado em sua carne o que faltava na paixão de Cristo, embora carregasse no corpo os seus estigmas, teve uma grave moléstia dos olhos, como se nele Deus quisesse multiplicar sua misericórdia. A doença crescia cada vez mais e parecia aumentar dia a dia pela falta de cuidado. Frei Elias, a quem escolhera como sua mãe e colocara como pai dos outros frades, acabou obrigando-o a aceitar o remédio pelo nome do Filho de Deus, por quem tinha sido criado, de acordo com o que está escrito: "O Senhor fez sair da terra os remédios, e o homem sensato não os rejeita". Então o santo pai acedeu de bom grado e obedeceu com humildade aos que o aconselhavam.

CAPITULO 5

Recebido em Rieti por Hugolino, bispo de Ostia. Prenuncia-lhe o santo que seria bispo de todo o mundo

99. Não conseguiu alívio, apesar de serem muitos os que lhe levaram medicamentos para ajudá-lo, e foi para Rieti, onde constava haver alguém muito capaz de curar aquela doença. Ao chegar, foi muito bem recebido, com toda a honra, pela Cúria Romana, que estava na cidade nesse tempo, mas especialmente por Hugolino, bispo de Ostia, famoso por sua honradez e santidade.

Ele já tinha sido escolhido por São Francisco como pai e senhor de toda a Ordem dos seus irmãos, com o consentimento e por vontade do Papa Honório, porque gostava muito da santa pobreza e tinha uma reverência especial pela santa simplicidade. Conformava-se em tudo com os costumes dos frades e, desejando ser santo, era simples com os simples, humilde com os humildes e pobre com os pobres. Era um irmão entre os irmãos, o menor entre os menores, e procurava ser como um dos demais na maneira de viver e de agir. Estava muito empenhado na difusão da Ordem e, com a sua reputação de santo, conseguiu extendê-la aos lugares mais longínquos.

Dera-lhe o Senhor uma língua erudita, com que confundia os adversários da verdade, refutava os inimigos da cruz de Cristo, reconduzia os transviados ao caminho, pacificava os que estavam em desavença e reforçava os laços da caridade entre os que se amavam. Era na Igreja de Deus uma luz que arde e ilumina e uma seta escolhida, preparada para o tempo oportuno.

Quantas vezes, deixando vestes preciosas, vestia-se como um pobre e andava descalço como um dos frades, pedindo que fizessem a paz! Fazia isso entre uma pessoa e outra sempre que era possível, ou entre Deus e os homens, e sempre com solicitude. Por isso, pouco depois Deus o escolheu para ser pastor em toda a sua santa Igreja, colocando-o acima de todos os povos.

100. Para que se saiba que isso foi feito por inspiração divina e pela vontade de Jesus Cristo, muito tempo antes o bem- aventurado pai São Francisco tinha predito o fato com palavras e dado um sinal visível. No tempo em que a Ordem dos frades, pela graça de Deus, já tinha começado a se difundir bastante, e como um cedro no paraíso de Deus elevara-se até o céu pelos santos merecimentos, estendendo os ramos por toda a amplidão da terra como a vinha eleita, São Francisco dirigiu-se ao Papa Honório, que então governava a Igreja, e lhe suplicou que nomeasse o cardeal Hugolino, bispo de Ostia, como pai e senhor dele e de seus frades. O Papa anuiu aos desejos do santo e delegou com bondade ao cardeal o seu poder sobre a Ordem dos frades. Ele o recebeu com reverência e devoção, como um servo fiel e prudente constituído sobre a família do Senhor, e procurou por todos os modos administrar no tempo oportuno o alimento da vida eterna aos que lhe tinham sido confiados. Por isso o santo pai se submetia a ele de todos os modos e o venerava com admirável e respeitoso afeto.

Era conduzido pelo espírito de Deus, de que estava repleto, e por isso intuia muito antes o que depois seria revelado aos olhos de todos. Sempre que lhe escrevia, por algum motivo urgente da Ordem ou pelo amor que em Cristo lhe dedicava, não se limitava a chamá-lo de bispo de Ostia ou de Veletri, como os outros faziam nas saudações de praxe, mas começava com estas palavras: "Ao reverendíssimo pai, o senhor Hugolino, bispo de todo o mundo". Saudava-o muitas vezes com bênçãos originais e, embora fosse filho devotamente submisso, por inspiração do Espírito Santo às vezes o consolava com uma conversa paternal, como "para cumulá-lo das bênçãos dos pais na espera do Desejado das colinas eternas".

101. O cardeal também tinha uma amizade enorme pelo santo, e por isso aprovava tudo que o santo dizia ou fazia; e só de vê-lo ficava muitas vezes todo comovido. Ele próprio afirmava que nunca tivera perturbação ou tentação tão grandes que não passassem só de ver ou conversar com o santo, o que lhe devolvia a serenidade, afugentava o aborrecimento e o fazia aspirar à alegria do alto. Pusera-se ao serviço de São Francisco como um servo ao seu senhor, e sempre que o via fazia-lhe uma reverência como a um apóstolo de Cristo, inclinando-se exterior e interiormente, e muitas vezes lhe beijava as mãos com seus lábios consagrados.

Interessou-se com solicitude e devoção para que o santo pai pudesse recuperar a antiga saúde dos olhos, vendo neleum homem santo e justo, muito útil e necessário à Igreja de Deus. Compartilhava os sofrimentos de toda a família dos frades, compadecendo-se dos filhos no pai. Por isso, exortava o santo pai a cuidar de sua saúde e a não recusar os remédios necessários na doença, pois esse descuido podia ser-lhe imputado como falta e não como merecimento. Aceitando com humildade tudo que lhe foi dito por um senhor tão reverendo e um pai tão querido, daí por diante São Francisco teve o maior cuidado e prudência com o que era necessário para sua cura. Só que a doença tinha se agravado tanto que para qualquer melhora exigia um especialista muito hábil e remédios muito dolorosos. Por essa razão, embora lhe tenham cauterizado a cabeça em diversos lugares, feito sangrias, colocado emplastros e derramado colírios, nada adiantou. Quase sempre foi ficando pior.

CAPITULO 6

Comportamento dos irmãos que cuidam de São Francisco. Como deseja viver.

102. O santo suportou isso com toda paciência e humildade, durante quase dois anos, dando em tudo graças a Deus. Para pensar mais livremente em Deus, e para percorrer as moradas do céu em seus êxtases freqüentes, vivendo na riqueza da graça diante do dulcíssimo e sereníssimo Senhor do universo, confiou o cuidado de sua pessoa a alguns frades verdadeiramente dignos de sua predileção. Eram homens virtuosos, entregues ao Senhor, gratos aos santos, aceitos pelos homens, sobre os quais o santo pai Francisco se apoiava como uma casa sobre quatro pilares. Não lhes vou citar os nomes agora em respeito a sua modéstia, que sempre foi íntima amiga desses santos frades.

A modéstia, aliás, é ornamento de todas as idades, testemunha da inocência, indício de um coração puro, norma de conduta, glória especial da consciência, guarda de boa fama e distintivo de toda honestidade. Foi a virtude que adornou esses companheiros do santo e os tornou amáveis e aceitos por todos. Foi uma graça comum a todos, mas cada um tinha sua virtude. Um deles se destacava por sua discrição, outro era de uma paciência fora do comum, outro de renomada simplicidade e o último juntava à robustez do corpo a mansidão de espírito. Todos cuidavam da tranquilidade do santo pai com toda a atenção, esforço e boa vontade. Tratavam também de sua doença sem poupar sacrifícios e fadigas para estarem ao inteiro dispor do santo.

103. Embora já consumado em graça diante de Deus e resplandecendo em obras diante dos homens deste mundo, o santo pai estava sempre pensando em empreender coisas mais perfeitas e, como soldado veterano das batalhas de Deus, provocava o adversário para novos combates. Propunha-se a grandes proezas sob a orientação de Cristo e, mesmo semimorto pela falta de saúde, esperava triunfar do inimigo numa nova refrega. De fato, a virtude verdadeira não conhece fim, pois sabe que sua recompensa é eterna. Ardia, por isso, em um desejo enorme de voltar à humildade do começo, e seu amor era tão grande e alegremente esperançoso, que queria reduzir seu corpo à primitiva servidão, embora já estivesse no limite de suas forças.

Afastava de si os obstáculos de todas as preocupações e freava de uma vez a agitação de todas as solicitudes. Precisando moderar seu rigor antigo por causa da doença, dizia: "Vamos começar a servir a Deus, meus irmãos, porque até agora fizemos pouco ou nada". Não pensava que já tivesse conseguido dominar-se mas, firme e incansável na busca da renovação espiritual, estava sempre pensando em começar.

Queria voltar a servir os leprosos e ser desprezado como nos outros tempos. Queria fugir ao convívio das pessoas e ir para os lugares mais afastados, para se livrar de todos os cuidados e preocupações com as outras coisas, e ficar separado de Deus apenas pela parede provisória do corpo.

104. Percebendo que muitos queriam alcançar cargos e honrarias e detestando sua temeridade, tentou afastá-los dessa peste por seu próprio exemplo. Dizia que seria coisa aceitável e boa diante de Deus assumir o governo dos outros mas só deviam assumir o cuidado das almas os que em tal ofício não buscam seus interesses mas acima de tudo atendem à vontade de Deus. Que não deveriam antepor coisa nenhuma à sua própria salvação nem esperar de seus súditos aplausos mas aproveitamento, nem deviam querer os favores dos homens mas a glória de Deus. Não deveriam ambicionar cargos mas temê-los. O que possuiam não devia orgulhá-los mas humilhá- los, e o que lhes fosse tirado não os devia abater mas exaltar.

Dizia que mandar era coisa muito perigosa, especialmente neste tempo em que a maldade transbordou e a iniquidade superabundou, mas que obedecer era sempre melhor. Sofria porque muitos tinham abandonado os primeiros trabalhos e se haviam esquecido da simplicidade antiga para seguirem novos rumos. Queixava-se dos que no começotinham procurado com ardor as coisas do alto mas tinham acabado por cair em ambições vulgares e terrenas e, deixando as verdadeiras alegrias, corriam atrás de frivolidades e ambições, no campo das pretensas liberdades. Suplicava a clemência de Deus pela libertação de seus filhos e pedia com ardor que os conservasse na graça que tinham recebido.

CAPITULO 7

Volta de Sena para Assis. Permanência em Santa Maria da Porciúncula. Bênção para os frades

105. Seis meses antes de sua morte, estando em Sena para cuidar da doença dos olhos, começou a ficar gravemente enfermo em todo o resto do corpo. Seu estômago se desfez pelos problemas contínuos e por males do fígado, e vomitou muito sangue, parecendo estar quase à morte. Ao ser informado, Frei Elias veio de longe, o mais depressa possível, para junto dele. Quando chegou, o santo pai melhorou tanto, que pôde sair daquela terra e ir com ele para Celle, perto de Cortona. Mas, pouco depois de ter chegado, seu ventre se intumesceu, incharam-se as pernas e os pés, e o estômago piorou cada vez mais, mal podendo reter algum alimento. Pediu, então, a Frei Elias, que o fizesse levar para Assis. O bom filho atendeu o que lhe pedia o bondoso pai, preparou tudo e levou-o para onde desajava. Alegrou-se a cidade com a chegada do bem-aventurado pai, e todos louvavam a Deus. Toda a multidão do povo sabia que o santo de Deus ia morrer logo, e foi por isso que se alegrou tanto.

106. De fato, foi por disposição de Deus que sua santa alma, livre do corpo, partiu para o reino dos céus do mesmo lugar em que, ainda na carne, teve o primeiro conhecimento das coisas espirituais e lhe foi infundida a unção salvadora. Sabia que o Reino dos Céus está em toda parte e que em qualquer lugar a graça divina pode ser dada aos escolhidos de Deus, mas a experiência lhe ensinara que aquele local da igreja de Santa Maria da Porciúncula estava cheio de graça mais abundante e era freqüentado pelos espíritos celestiais.

Dizia muitas vezes a seus irmãos: "Não saiam nunca deste lugar, meus filhos. Se os puserem para fora por um lado, entrem pelo outro, porque este lugar é verdadeiramente santo e habitação de Deus. Aqui o Altíssimo nos deu crescimento quando ainda éramos poucos. Aqui iluminou o coração de seus pobres com a luz de sua sabedoria. Aqui incendiou nossas vontades com o fogo do seu amor. Quem rezar com devoção neste lugar conseguirá o que pedir, e quem o desrespeitar será mais gravemente punido. Por isso, filhos, tenham todo o respeito para com o lugar onde Deus mora, e louvem aqui o Senhor com todo o seu coração, entre gritos de júbilo e de louvor".

107. Nesse meio tempo, a doença se agravou, desvanesceu-se todo o vigor de seu corpo e, já sem forças, não se podia mover de maneira alguma. Perguntando-lhe um frade o que preferia suportar: essa doença constante e demorada ou o martírio violento nas mãos de um carrasco, respondeu: "Filho, para mim a melhor coisa, a mais agradável e desejável sempre consistiu em fazer o que o Senhor mais desejar de mim e em mim. A única coisa que desejo é estar sempre de acordo e obedecendo à sua vontade em tudo e por tudo. Para mim, no entanto, suportar esta doença, mesmo que seja por mais três dias, seria mais doloroso do que qualquer martírio. Não estou falando de recompensa por merecimento, mas apenas do sofrimento que a doença traz consigo".

Duas vezes mártir era ele, que suportava de boa vontade, risonho e alegre, o que para os outros era duro e insuportável só de ver! De fato, "não tinha sobrado nele membro algum sem excessiva dor". Já tinha perdido o calor natural e se aproximava cada vez mais da morte. Espantavam-se os médicos e admiravam-se os frades de que seu espírito pudesse viver em um corpo já tão morto, pois a carne já se havia consumido e estava reduzido a pele e ossos.

108. Vendo aproximar-se o último dia, que inclusive já lhe fora revelado divinamente dois anos antes, chamou os frades que quis, abençoou a cada um conforme lhe foi inspirado pelo céu, como outrora o patriarca Jacó com seus filhos, e mesmo como um outro Moisés antes de subir ao monte que Deus lhe havia indicado, cumulou de bênçãos os filhos de Israel.

Frei Elias estava à sua esquerda e os outros filhos sentados ao redor. O santo cruzou os braços e pôs a mão direita sobre a cabeça dele. Privado como estava da luz e do uso dos olhos do corpo, perguntou:

- "Sobre quem coloquei minha mão direita?"

- "Sobre Frei Elias", responderam.

- "É isso que eu quero", disse. "Eu te abençôo, meu filho, em tudo e por tudo, e como o Senhor em tuas mãos aumentou os meus irmãos e filhos, assim sobre ti e em ti a todos eu abençôo. No céu e na terra te abençoe Deus, Rei do Universo. Abençôo-te como eu posso, mais do que eu posso, e, o que eu não posso, que possa em teu benefício aquele que pode tudo. Lembre-se Deus de tua ação e dos teus trabalhos, e reserve o teu lugar na retribuição dos justos. Que tenhas toda bênção que desejas e alcances tudo que pedires com justiça".

- "Adeus, meus filhos, vivei sempre no temor do Senhor, porque as maiores provações vos ameaçam e a tribulação está às portas. Felizes os que perseverarem no que empreenderam, porque os escândalos que estão para vir vão afastar alguns do seu meio. Eu me apresso a ir para a casa do Senhor, para o meu Deus vou com confiança, porque o servi com devoção".

Como estivesse hospedado no palácio do bispo de Assis, pediu aos frades que o levassem o mais depressa possível para Santa Maria da Porciúncula. Queria entregar sua alma a Deus naquele lugar em que, como dissemos, começou a entender com perfeição o caminho da verdade.

CAPITULO 8

Suas últimas palavras, desejos e atos

109. Já tinham passado vinte anos desde sua conversão e, como lhe fora comunicado por divina revelação, estava próxima sua última hora. De fato, quando o bem-aventurado Francisco e Frei Elias moravam juntos em Foligno, certa noite apareceu em sonho a Frei Elias um sacerdote vestido de branco, de idade muito avançada e aspecto venerável, e disse: "Levanta-te, irmão, e diz a Frei Francisco que já se passaram dezoito anos desde que renunciou ao mundo e aderiu a Cristo. Permanecerá só mais dois anos nesta vida e depois, chamado pelo Senhor, seguirá o caminho de toda carne mortal". Era o que estava acontecendo, para que a seu tempo fosse realizada a palavra de Deus, anunciada com tal antecedência.

Tendo descansado uns poucos dias no lugar que tanto amava,e sabendo que tinha chegado a hora de morrer, chamou dois frades, filhos seus prediletos, e lhes mandou que cantassem em voz alta os Louvores do Senhor, na alegria do espírito pela morte, ou antes pela Vida, já tão próxima. Ele mesmo entoou como pôde o Salmo de Davi: "Em alta voz clamo ao Senhor, em alta voz suplico ao Senhor".

Um dos frades presentes,pelo qual o santo tinha a maior amizade, e que era muito solícito por todos os irmãos, vendo isso e sabendo que a morte do santo estava próxima, disse-lhe: "Ó pai bondoso, teus filhos vão ficar sem pai, vão ficar sem a verdadeira luz de seus olhos! Lembra-te dos órfãos que estás deixando, perdoa todas as nossas culpas e alegra com tua santa bênção tanto os presentes como os ausentes!" Respondeu-lhe o santo: "Filho, estou sedo chamado por Deus. A meus irmãos, tanto presentes como ausentes, perdôo todas as ofensas e culpas, e os absolvo quanto me é possível. Leva esta notícia para todos e abençoa-os de minha parte".

110. Mandou trazer, então, o livro dos Evangelhos e pediu que lessem o trecho de São João no lugar que começa: "Seis dias antes da Páscoa, sabendo Jesus que sua hora tinha chegado e devia passar deste mundo para o Pai..." Era justamente o Evangelho que o ministro tinha pensado em ler, antes que lhe fosse dada a ordem. E abriram o livro nesse ponto na primeira vez, embora fosse uma Biblia inteira o livro em que estavam procurando o Evangelho. Depois, mandou que lhe pusessem um cilício e jogassem cinzas por cima, porque dentro em breve seria pó e cinza.

Estando presentes muitos irmãos, de quem ele era o pai e guia, a esperar com reverência o fim ditoso e bem-aventurado, sua alma santíssima desprendeu-se da carne e foi absorvida pelo abismo da claridade, enquanto seu corpo adormecia no Senhor.

Um de seus irmãos e discípulos, não pouco famoso, cujo nome acho melhor calar agora, porque enquanto viveu na carne não quis gloriar-se desse fato, viu a alma do pai santíssimo subindo diretamente para o céu, acima das grandes águas. Era como uma estrela do tamanho da lua e com toda a claridade do sol, levada por uma nuvenzinha branca.

111. Possa eu exclamar agora: "Como é glorioso este santo, cuja alma um discípulo viu subir ao céu! Bela como a lua, resplandecente como o sol, subindo em uma nuvem branca, brilhava com toda a glória! O' luzeiro do mundo, que iluminas a Igreja de Cristo com esplendor maior que o sol, agora já recolheste os raios de tua luz e foste para a pátria esplendorosa, trocando a nossa pobreconvivência pela dos anjos e santos! Ó gloriosa beleza de tão insigne arauto, não deixes teus filhos desamparados, embora já não estejas mais revestido de carne semelhante à nossa. Sabes, sabes de verdade as dificuldades em que foram abandonados aqueles a quem bastava a tua feliz presença para libertar misericordiosamente, a qualquer momento, dos trabalhos sem conta e das constantes angústias. Pai santíssimo e cheio de misericórdia, sempre tão pronto a ter compaixão e a perdoar os teus filhos que pecavam! Nós te bendizemos, pai digno, abençoado pelo Altíssimo, que é o Deus eternamente bendito sobre todas as coisas. Amém!"

CAPITULO 9

Lamentação dos frades e sua alegria ao lhe descobrirem os sinais da cruz. As asas do Serafim

112. Acorreram as multidões louvando a Deus e dizendo: "Louvado e bendito sejas, Senhor nosso Deus, que a nós indignos confiaste tão santos despojos! Louvor e glória a ti, Trindade inefável!"

A cidade de Assis veio em peso, e a região inteira acorreu para contemplar os prodígios divinos que o Senhor da majestade realizara gloriosamente no seu santo servo. Cada um entoava seu canto de alegria, conforme lhe inspirava a alegria do coração, e todos bendiziam a onipotência do Salvador que tinha cumprido seus desejos. Mas os filhos choravam por ter perdido semelhante pai e mostravam com lágrimas e suspiros a piedosa afeição de seus corações.

Mas um gozo inaudito temperava a tristeza e a singularidade do milagre enchera-os de assombro. Mudou-se o luto em cântico e o pranto em júbilo. Nunca tinham ouvido falar nem tinham lido sobre o que seus olhos estavam agora vendo. Se o testemunho não fosse tão evidente, mal poderiam acreditar. Brilhava nele uma representação da cruz e da paixão do Cordeiro imaculado, que lavou os crimes do mundo, parecendo que tinha sido tirado havia pouco da cruz, com as mãos e os pés atravessados pelos cravos e o lado como que ferido por uma lança.

Contemplavam sua pele, escura em vida, brilhando de alvura, e confirmando por sua beleza o prêmio da bem-aventurada ressurreição. Viam seu rosto como o de um anjo, como se estivesse vivo e não morto, e seus membros tinham adquirido a flexibilidade e a contextura de uma criança. Seus nervos não se contraíram, como acontece com os mortos. A pele não se endureceu e os membros não se enrijeceram, mas dobravam para onde se quisesse.

113. Resplandecendo essa admirável beleza diante de todos os que assistiam, e como sua carne tinha ficado mais alva, era admirável ver em suas mãos e pés não as feridas dos cravos mas os próprios cravos, formados por sua carne, com a cor escura do ferro, e o seu lado direito rubro de sangue. Os sinais do martírio não incutiam horror nos que olhavam, mas emprestavam muita beleza e graça, como pedrinhas pretas num pavimento branco.

Acorriam os frades seus filhos e, chorando, beijavam as mãos e os pés do piedoso pai que os deixava, e também o lado direito, cuja chaga era uma lembrança preclara daquele que também derramou sangue e água desse mesmo lugar e assim nos reconciliou com o Pai. As pessoas do povo achavam que era o maior favor serem admitidas não apenas para beijar mas até só para ver os sagrados estigmas de Jesus Cristo, que São Francisco trazia em seu corpo.

Quem, diante dessa visão, não seria levado mais à alegria do que ao pranto? Se alguém chorava era mais pelo gozo que pela dor. Quem teria um coração de ferro para ficar sem gemer? Quem teria um coração de pedra, que não se partisse de compunção, não se acendesse pelo amor divino, não se enchesse de boa vontade? Quem poderia ser tão duro e insensível que não chegasse a entender que o santo, honrado na terra por esse privilégio especial, devia ser exaltado no céu com uma glória inefável?

114. Ó dom singular, sinal de predileção: o soldado estava ornado com as mesmas armas gloriosas que cabiam unicamente ao Rei por sua altíssima dignidade! O' milagre digno de eterna memória, prodígio para ser admirado reverentemente sem cessar, porque representa aos olhos da fé o mistério em que o sangue do Cordeiro imaculado correu copiosamente pelas cinco chagas e lavou os crimes do mundo! O' esplendor sublime de uma cruz vivificante, que dá vida aos mortos, cujo peso oprime com tanta suavidade e fere com tanta doçura que faz o corpo morto reviver e dá força ao espírito combalido! Amou-te muito aquele que ornaste com tanta glória!

Glória e bênção sejam dadas só ao Deus sábio que renova os sinais e muda as maravilhas, para que a mente dos fracos se console com as novas revelações, e para que, pela prodígio das coisas visíveis, seu coração seja arrebatado de amor pelas coisas invisíveis! Estupendo e amável desígnio de Deus! Para prevenir as desculpas da nossa incredulidade diante dararidade do prodígio, quis primeiro realizar naquele que veio do céu o milagre que Ele ia fazer pouco depois num habitante da terra! Assim quis o Pai de misericórdia mostrar que prêmio merece quem procura amá-lo de todo o coração, pois o colocou na mais elevada ordem de espíritos celestes, a que dele está mais próxima.

Também nós chegaremos lá, sem dúvida nenhuma, se, à maneira do Serafim, estendermos duas asas acima da cabeça: isto é, se como São Francisco dirigirmos para Deus uma intenção pura e um reto modo de agir em toda obra boa, tratando infatigavelmente de agradá-lo acima de tudo. Elas têm que se juntar para velar a cabeça, porque o Pai das luzes, que disse: "Se o teu olho for puro, todo o teu corpo será luminoso, mas se for mau, todo o teu corpo será tenebroso" não vai aceitar como boa uma obra feita sem reta intenção, e de nada valerá a reta intenção que não levar a uma obra boa. Não é puro o olho que não vê o que deve por falta de conhecimento da verdade, ou que olha para o que não deve ver, por falta de intenção pura. No primeiro caso, não é puro mas cego, e no segundo, está claro que é mau. As penas dessas asas são o amor do Pai, que salva com misericórdia, e o temor do Senhor, que julga com inflexibilidade: elas é que devem suspender das coisas terrenas o pensamento dos eleitos, reprimindo as tendências más e suscitando castos sentimentos.

Outras duas asas são para voar e cumprir o duplo dever de caridade para com o próximo: alimentar-lhe a alma com a palavra de Deus e sustentar-lhe o corpo com os recursos da terra. Estas asas raramente se juntam, porque é difícil para uma só pessoa cumprir as duas tarefas. Suas penas são as diversas obras necessárias para aconselhar e ajudar o próximo.

Com as duas últimas asas, devemos envolver o corpo despido de merecimentos. Nós o conseguimos se, todas as vezes que tiver sido despido pelo pecado, o revestirmos de inocência pela contrição e a confissão. Suas penas são os múltiplos afetos que nascem da execração do pecado e da sede de justiça.

115. O bem-aventurado pai São Francisco, que teve a imagem e a forma de um Serafim, fez tudo isso com perfeição, porque perseverou na cruz e mereceu voar para a altura dos espíritos sublimes. Viveu sempre na cruz, sem fugir jamais das fadigas ou sofrimentos, para poder cumprir por si mesmo e na sua pessoa a vontade de Deus.

Os frades que conviveram com ele sabem, além disso, que estava todos os dias e a toda hora falando sobre Jesus, e como seu jeito de falar era doce, suave, bondoso e cheio de amor. Falava da abundância do coração, e estava sempre transbordando a fonte de amor iluminado que lhe enchia todo o interior. Tinha Jesus de muitos modos: levava sempre Jesus no coração, Jesus na boca, Jesus nos ouvidos, Jesus nos olhos, Jesus nas mãos, Jesus em todos os outros membros.

Quantas vezes, sentado para o almoço, esquecia o alimento corporal se ouvia o nome de Jesus, ou o mencionava, ou pensava nele. Como lemos a respeito de um santo: "Olhava, mas não via; ouvia mas não escutava. Também foram muitas as vezes em que estava viajando e, pensando em Jesus ou cantando para ele, esquecia- se do caminho e convidava todas as criaturas a louvarem a Jesus. E porque conservava sempre com amor admirável em seu coração Cristo Jesus, e Jesus crucificado, foi marcado por seu sinal com uma glória superior à de todos os outros. Em êxtases, contemplava-o numa glória indizível e incompreensível, sentado à direita do Pai, com o qual, Filho do Altíssimo e igualmente Altíssimo, na unidade do Espírito Santo vive e reina, vence e impera, Deus eternamente glorioso por todos os séculos dos séculos. Amém.

CAPITULO 10

Pranto das senhoras em São Damião. Louvor e glória de seu sepultamento

116. Os frades seus filhos, que tinham acorrido com toda a multidão das cidades vizinhas, contentes por participar de tão solene funeral, passaram toda aquela noite em que morreu o santo pai dando louvores a Deus: pela suavidade do júbilo e pela claridade das luzes até parecia que eram os anjos a velar.

Quando amanheceu, juntou-se a multidão de Assis com todo o clero e, carregando o sagrado corpo do lugar em que morrera, levaram-no para a cidade entre hinos e louvores, tocando trombetas. Cada um levava um ramo de oliveira ou de outras árvores e seguiam solenemente o enterro, com muitas luminárias e cantando louvores em alta voz.

Quando o cortejo, formado pelos filhos que levavam o pai e pelo rebanho que acompanhava o pastor em busca do Pastor supremo, chegou ao lugar em que ele tinha fundado a Ordem das santas virgens e senhoras pobres, depositaram-no na igreja de São Damião, em que moravam aquelas suas filhas, por ele conquistadas para o Senhor. Abriu-se então a janelinha pela qual as servas de Deus costumavam receber a comunhão no tempo determinado. Abriu-se também a arca em que o tesouro de virtudes supercelestes estava guardado e em que estava sendo levado por poucos aquele que costumava arrastar tanta gente. Então a senhora Clara, verdadeiramente clara pela santidade de seus merecimentos, primeira mãe das outras porque tinha sido a primeira plantinha da Ordem, aproximou-se com suas filhas para ver o pai, que já não lhes falaria e estava a caminho de outras paragens, para não mais voltar.

117. Suspirando e gemendo muito, olhavam para ele em lágrimas e começaram a clamar com voz embargada: "Pai, pai, que vai ser de nós? Pobres de nós, por que nos abandonas? A quem nos entregas, assim desamparadas? Por que não nos deste a alegria de ir à tua frente e nos deixaste sofrendo deste jeito? Que mandas que façamos, presas neste cárcere, pois nunca mais virás visitar-nos, como costumavas? Contigo vai-se embora toda a nossa consolação. Não haverá mais conforto igual para nós que nos enterramos para o mundo! Quem nos acudirá em tamanha pobreza, não só de méritos como de bens materiais? O' pai dos pobres e amigo da pobreza! Quem nos socorrerá nas provações, dize-nos tu, que passaste por tantas e eras um precavido conhecedor desses males! Quem nos consolará nas tribulações, dize-nos tu, que nos socorreste em tantas que nos assaltaram! Amarga separação, cruel ausência! O' morte horrorosa, que trucidas milhares de filhos e filhas, privando-nos desse pai, apressando-te em levá-lo para longe sem retorno, ele a quem devemos o grande florescimento de nossos esforços, se é que alguma coisa temos!"

Mas o virginal pudor lhes embargava o pranto, e não ficava bem chorar demais por ele, quando em sua morte tinham acorrido multidões de anjos, alegrando-se os cidadãos dos céus e os que moram na casa de Deus. Entre a tristeza e a alegria, beijavam suas mãos esplêndidas, ornadas de pedras preciosas a brilhar. Quando ele foi levado, fechou-se para elas a porta, que jamais poderá ser aberta para outra dor comparável.

Que compaixão enorme tiveram todos pelo seu sofrido e piedoso lamento! Os maiores gemidos foram, principalmente, os de seus filhos entristecidos! Todos partilhavam sua dor, porque eraimpossível reprimir as lágrimas quando os anjos da paz choravam com amargura.

118. Por fim, chegando à cidade, colocaram com grande alegria e júbilo o seu corpo santíssimo no lugar sagrado, que passou a ser mais sagrado. Para glória de Deus todo-poderoso, dali ele ilumina o mundo numa profusão de milagres, do mesmo modo que antes o iluminava pela doutrina de sua santa pregação. Demos graças a Deus. Amém.

Santíssimo e abençoado pai, procurei honrar-te com justos e merecidos louvores, embora insuficientes, e narrei por escrito todos os teus feitos. Concede agora que este pobre frade seja digno de te seguir no presente para que, pela misericórdia de Deus, possa te acompanhar no futuro. Lembra-te piedosamente dos pobres filhos para os quais mal sobrou alguma consolação depois que te foste, tu que eras o seu único e especial consolo. Porção primeira e melhor de sua herança, foste admitido nos coros dos anjos e colocado no trono glorioso dos Apóstolos, mas eles jazem na lama, presos num cárcere escuro, e clamam por ti em seu pranto: "Ó pai, apresenta a Jesus Cristo, Filho do Pai Eterno, os seus sagrados estigmas, e mostra os sinais da cruz no lado, nos pés e nas mãos, para que ele se digne ter a misericórdia de mostrar suas próprias chagas ao Pai que, por certo, olhando para elas, sempre vai ter piedade de nós, pobres pecadores. Amém! Assim seja! Assim seja!"

Termina o segundo livro.

TERCEIRO LIVRO

Começa o terceiro livro, sobre a canonização do bem-aventurado pai São Francisco e seus milagres

119. No vigésimo ano de sua conversão, dando um fecho melhor ao que começara tão bem, o glorioso Pai Francisco entregou todo feliz o seu espírito ao céu. Lá, coroado de glória e honra, tem um lugar no meio das pedras de fogo, junto ao trono da Divindade, e cuida eficazmente de atender às necessidades daqueles que deixou aqui na terra. De fato, o que poderia ser negado a quem, pela impressão dos sagrados estigmas, tornou-se uma cópia daquele que, igual ao Pai, senta-se à direita de sua majestade nas alturas, esplendor da glória e figura da substância de Deus, realizando a purificação dos pecados? Como não será atendido aquele que, configurado à morte de Jesus Cristo por ter partilhado de seus padecimentos, reapresenta as sagradas chagas das mãos, dos pés e do lado?

Na realidade, ele já está inundando todo o mundo com uma alegria nova e a todos oferece os meios de verdadeira salvação. Irradia o mundo com a luz claríssima dos milagres, e com o fulgor de um verdadeiro astro ilustra o universo inteiro. Esse mundo tinha chorado havia pouco como se, privado de sua presença, tivesse caído num abismo de trevas. Mas agora já sabe que saiu das trevas, iluminado por raios mais brilhantes ao nascer de uma nova luz, como se fosse meio-dia. Graças a Deus, já deixamos de lamentá-lo, porque todos os dias e em todos os lugares nós nos vemos abundantemente cumulados de novas alegrias pelas virtudes que dele recebemos. Do oriente e do ocidente, do sul e do norte apresentam-se pessoas para testemunhar que foram socorridas por suas graças.

Foi justamente por isso que Francisco, apaixonado pelos bens eternos, nunca se apropriou de nada enquanto viveu neste mundo, para possuir com maior plenitude e prazer o Bem Universal. Não não quis possuir a parte e teve o todo, recebendo a eternidade em troca do tempo. Ele, que tanto amava a união, desconhece parcialidades: ajuda a todos em todo o mundo, em toda parte está junto de todos.

120. Quando vivia entre os pecadores, percorreu o mundo para pregar; agora, que reina com os anjos do céu, voa mais rápido que o pensamento, mensageiro do grande Rei, para prestar a todos os povos seus benefícios gloriosos. Por isso a humanidade inteira o honra, venera, glorifica e louva: todos recebem de sua bondade.

Quem poderia contar todos os milagres que Deus se dignou operar por meio ele em todo o mundo? São incontáveis, por exemplo, as maravilhas que São Francisco fez só na França, onde o rei, a rainha e todos os grandes acorrem para beijar e venerar o travesseiro que o santo usou quando esteve doente. Lá, até os sábios e os homens mais cultos do mundo, que são mais numerosos em Paris do que em toda a terra, veneram, admiram e cultuam Francisco, homem simples e amigo de toda verdadeira simplicidade e sinceridade.

Foi um verdadeiro "Francisco" porque teve, como ninguém, um coração franco e nobre. Os que tiveram contato com o seu grande coração sabem que foi um homem livre, sempre liberal, que em tudo foi firme e corajoso, desprezando com virtude e fervor tudo que não fosse eterno.

Que direi de outros países, em que o simples uso de seu cordão cura doenças, afugenta malefícios, e onde homens e mulheres estão conseguindo livrar-se de problemas só de invocar o seu nome?

121. Junto de seu túmulo estão acontecendo continuamente novos milagres. As preces são insistentes e são muitos os benefícios obtidos para as almas e os corpos. Os cegos vêem, os surdos ouvem, os coxos andam, os mudos falam, salta o que sofria de gota, limpa-se o leproso, volta o hidrópico ao normal. Os que sofrem males das mais variadas doenças obtêm a desejada saúde. Seu corpo morto cura corpos vivos, como em vida ele ressuscitava almas mortas.

Chegou tudo isso aos ouvidos do Romano Pontífice, o maior de todos os bispos, guia dos cristãos, senhor do mundo, pastor da Igreja, ungido do Senhor e Vigário de Cristo. Naturalmente, ele ficou exultante, festejando feliz essa renovação da Igreja de Deus em seu tempo por mistérios novos que são milagres antigos, e isso em um filho seu, que gerou em seu seio, acalentou em seus braços, amamentou com a palavra e educou com o alimento da salvação. Ouviram-no também os outros guardiães da Igreja, os veneráveis cardeais, que são pastores do rebanho, defensores da fé, amigos do esposo, seus colaboradores e sustentáculos do mundo. Também eles se congratularam com a Igreja, alegraram-se com o Papa, glorificaram o Salvador, que com suma e inefável sabedoria, com graça superior e incompreensível, com a maior e mais inestimável bondade escolheu o que era estulto e sem nobreza neste mundo para atrair os poderosos. Afinal, teve conhecimento e aplaudiu o mundo inteiro com todos os reinos da cristandade, e todos transbordaram de alegria e se encheram de santa consolação.

122. Mas, de repente, houve uma reviravolta e o mundo viu surgir um novo problema. Foi-se num momento o prazer da paz, acendeu-se a inveja e a Igreja foi ferida por uma guerra dentro da própria casa. Os romanos, povo sedicioso e feroz, atacam como de costume seus vizinhos e estendem temerariamente suas mãos para as coisas sagradas. Como uma torre bem armada, esforça-se o egrégio papa Gregório por conter o mal nascente, reprimir a crueldade e domar a violência para defender a Igreja de Cristo. Mas os males aumentam e a violência cresce. Mesmo em outras partes do mundo levanta-se contra Deus a cerviz dos pecadores. Que fazer? Avaliando a situação e prevendo o futuro com muita experiência, o Papa decide abandonar Roma aos revoltosos para livrar e defender o resto do mundo.

Foi para Rieti, onde o receberam com as devidas honras. Daí passou para Espoleto, honrado por todos com grande reverência. Depois de alguns dias, atento à situação da Igreja e acompanhado pelos veneráveis cardeais, teve a bondade de ir visitar as servas de Cristo, mortas e sepultadas para o mundo. Sua vida santa, a pobreza altíssima e o gênero de vida perfeito comoveram o Papa e os outros até as lágrimas, incitando-os ao desapego do mundo e a uma vida consagrada.

Ó humildade, mãe amável de todas as virtudes! O príncipe de toda a terra, sucessor do príncipe dos apóstolos, visita as pobrezinhas, desce até aquelas desprezadas e humildes encarceradas! De fato, foi uma humildade digna do maior apreço, sem exemplo anterior, jamais vista em outros tempos.

123. Mas tem pressa de chegar a Assis, onde está o tesouro para ele precioso, onde espera livrar-se dos sofrimentos e desgraças que o ameaçam. Sua chegada foi um júbilo para toda a região. Exultou a cidade, festejaram as multidões, e o dia claro ficou ainda mais luminoso com a presença dos ilustres visitantes. Foram todos ao seu encontro em solene cortejo. Veio também o grupo piedoso dos pobres frades, e todos entoavam belos cânticos para o ungido do Senhor. Assim que chegou, o Vigário de Cristo foi saudar com alegre reverência o sepulcro de São Francisco. Suspirou, bateu no peito, chorou e inclinou sua cabeça veneranda com a maior devoção.

Cuidou-se então solenemente da canonização do santo, e começou a haver muitas reuniões de uma ilustre comissão de cardeais para tratar do assunto. Vieram de toda parte muitas pessoas que tinham sido livradas de seus achaques pelo santo, e uma multidão enorme de milagres começou a brilhar: foram todos examinados, discutidos, acolhidos e aprovados.

Nesse ínterim, os negócios reclamam a presença do Papa em Perúsia, mas ele volta a Assis com maior e especial benevolência por tão importante causa. Tem que ir outra vez a Perusa, onde se realiza uma reunião dos cardeais em seus aposentos. Todos estão unanimente de acordo. Lêem os milagres e sua veneração aumenta. Enaltecem a vida e a conversão do bem-aventurado pai com os maiores elogios.

124. "A santidade deste homem - dizem - não precisa do testemunho dos milagres, pois nós mesmos a vimos com nossos olhos, tocamos com nossas mãos e comprovamos sua verdade". Todos se comovem, aplaudem, choram lágrimas carregadas de paz. Tratam de marcar logo o dia abençoado em que encheriam todo o mundo de gáudio salutar.

E chega finalmente o dia solene, para sempre memorável, estendendo a mais sublime comemoração não só a todos os países mas até às moradas lá do céu. Foram convocados os bispos, acorreram abades e vieram prelados dos lugares mais distantes. Havia até um rei e se reuniu uma nobre multidão de condes e cavalheiros. Acompanhavam todos ao senhor de todo o mundo e entraram com ele na cidade de Assis em triunfal cortejo. Chegando ao local preparado para o solene acontecimento, juntaram-se ao santo Padre todos os cardeais, bispos e abades. Houve grande acorrência de sacerdotes e clérigos, reuniu-se um grupo sagrado e feliz de religiosos, estiveram presentes as religiosas, humildes e recatadas, juntou- se uma multidão quase incontável de homens e mulheres. Pessoas de todas as idades se fizeram animadamente presentes a tão extraordinário encontro, juntando-se lado a lado pequenos e grandes, servos e livres.

125. Presidia o Sumo Pontífice, esposo da Igreja de Cristo, cercado pela variedade de tantos filhos, com a coroa de glória em sua cabeça, sinal expresso da santidade. Estava ornado com os paramentos pontificais e revestido das vestes de santidade, com faixas bordadas a ouro e pedras preciosas. Refulgente na magnificência da glória, coberto de pedras brilhantes e preciosas, o ungido do Senhor chamava a atenção de todos. Rodeavam-no os cardeais e bispos, ornados com os adereços mais esplêndidos e refulgindo de brancura, dando uma idéia da beleza celeste e representando a alegria dos glorificados. O povo inteiro aguardava a voz do gáudio, a voz da alegria, a voz nova, a voz cheia de toda doçura, a voz do louvor, a voz da bênção perene.

Falou em primeiro lugar o Papa Gregório, dirigindo-se a todo o povo com voz vibrante e afetuosa para anunciar as maravilhas de Deus. Depois, fez um nobilíssimo elogio do pai Francisco, cobrindo-se de lágrimas ao recordar sua conversão e proclamar sua simplicidade. Foi assim que começou: "Como a estrela da manhã por entre as núvens, como a lua resplandecente no plenilúnio, como o sol a brilhar, assim refulgiu este homem no templo de Deus".

Terminado o sermão, fiel e digno de todo louvor, um dos subdiáconos do senhor Papa, chamado Otaviano, leu para todos em voz bem alta os milagres do santo. Comentou-os, depois, todo comovido e com sagrada eloquência, o senhor Rainério, cardeal-diácono, homem de inteligência perspicaz, honrado por seus costumes e virtude. Estava feliz o pastor da Igreja e, profundamente comovido, soltava grandes suspiros, entre soluços e abundantes lágrimas. Também os outros prelados da Igreja choravam banhando de lágrimas os paramentos. Chorava afinal o povo todo, bastante fatigado na ansiosa espera.

126. Clamou afinal o Papa em voz alta e, estendendo as mãos para o céu, disse: "Para louvor e glória de Deus todo poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo, da gloriosa Virgem Maria, dos santos apóstolos Pedro e Paulo, e para honra da gloriosa Igreja Romana, venerando na terra o bem-aventurado pai Francisco, a quem Deus glorificou no céu, tendo ouvido o conselho de nossos irmãos e de outros prelados, decretamos que ele seja incluído no catálogo dos santos e que sua festa seja celebrada no dia de sua morte".

Ouvidas essas palavras, os reverendos cardeais começaram a cantar em voz alta, com o senhor Papa, o Te Deum laudamus. Juntou-se o clamor de todo aquele povo, louvando a Deus. Reboou a terra, encheu-se o ar de júbilo, molhou-se o chão de lágrimas. Entoavam cânticos novos e os servos de Deus se rejubilavam com a melodia do espírito. Os hinos espirituais eram cantados com voz melodiosa, acompanhados por maviosos instrumentos musicais. Respirava-se um agradável perfume e pairava no ar uma doce melodia, que a todos deixava comovidos. O dia era esplêndido e radiante com as cores mais maravilhosas. Verdes estavam as oliveiras e cobertas todas as árvores de folhagem renovada. A ornamentação festiva refulgia no rosto das pessoas e a bênção da paz alegrava os corações de todos os presentes.

No fim, o feliz Papa Gregório desceu do trono e entrou no santuário pela escadaria inferior, para oferecer os votos e sacrifícios. Beijou com alegria a tumba que encerrava o corpo sagrado e dedicado ao Senhor. Fez repetidas preces, celebrou os mistérios sagrados. Rodeava-o a coroa dos irmãos, louvando, adorando e bendizendo a Deus onipotente, que realizou portentos em toda a terra. O povo inteiro repetia os louvores de Deus e em honra da Trindade excelsa rendeu graças a São Francisco. Amém.

Tudo isso aconteceu na cidade de Assis, no segundo ano do pontificado do Senhor Papa Gregório IX, a 16 de julho de 1228.

MILAGRES DE SÃO FRANCISCO

Em nome de Cristo, começam os milagres de nosso santíssimo pai Francisco

127. Para animar nossos contemporâneos em sua devoção e para corroborar a fé dos futuros, invocamos suplicantes a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo e transcrevemos, em forma breve mas fiel, os milagres que - como dissemos - foram lidos e anunciados ao povo na presença do senhor papa Gregório.

Paralíticos curados

No mesmo dia em que o sacrossanto corpo do bem-aventurado pai Francisco, embalsamado pelos aromas do céu mais do que por especiarias terrenas, foi sepultado como um tesouro muito precioso, trouxeram uma menina que havia mais de um ano estava com o pescoço monstruosamente torcido e a cabeça enterrada no ombro, de modo que só de soslaio conseguia olhar para cima. Mas ela colocou por algum tempo a cabeça embaixo da urnaem que jazia o precioso corpo do santo e imediatamente, pelos méritos dele, endireitou o pescoço e recobrou a posição normal da cabeça. A transformação foi tão repentina que a criança, muito assustada, fugiu chorando. Devido à prolongada enfermidade, estava com uma cavidade no ombro, no lugar em que a cabeça estivera dobrada.

128. No condado de Narni, havia um menino com uma perna tão torcida que não podia andar sem muletas. Vivia de esmolas, estava doente havia muitos anos e não conhecia pai nem mãe. Pelos méritos de nosso bem-aventurado pai Francisco, ficou tão livre de seu mal, que passou a andar por toda parte sem muletas, louvando e bendizendo a Deus e a seu santo.

129. Um cidadão de Foligno, chamado Nicolau, tinha a perna esquerda tão contraída que lhe causava uma dor enorme e gastara tanto com médicos para recobrar a saúde, que estava com dívidas acima de sua vontade e de suas posses. Vendo quenão tinha conseguido nada com os tratamentos, tão atormentado de dores que seus gritos e gemidos não deixavam dormir os vizinhos, fez um voto a Deus e a São Francisco, e pediu que o o levassem ao seu sepulcro. Depois de ter passado uma noite orando diante do túmulo do santo, conseguiu estender a perna e voltou para casa sem muleta, louco de alegria.

130. Havia também um menino com uma perna tão contraída que o joelho estava ligado ao peito e o calcanhar às nádegas. Foram ao sepulcro de São Francisco, usando o pai um cilício para se mortificar, enquanto a mãe fazia grandes sacrifícios. Ficou tão completa e repentinamente curado que podia correr pelas praças, todo feliz, dando graças a Deus e a São Francisco.

131. Na cidade de Fano, havia outro aleijado cujas pernas, cheias de feridas, tinham grudado nas nádegas e exalavam um mau cheiro tão forte que os enfermeiros não o queriam receber no hospital nem tratá-lo. Pelos méritos do santo pai Francisco, cuja misericórdia invocou, teve pouco depois a alegria de ficar curado.

132. Uma menina de Gúbio, de mãos retorcidas, perdera todo o uso dos membros havia mais de um ano. Sua ama, para obter a graça da saúde, levou-a com uma imagem de cera ao túmulo de nosso pai São Francisco. Depois de oito dias, teve os membros de tal forma recuperados que pôde voltar a fazer normalmente tudo que fazia antes.

133. Um menino de Montenegro passou vários dias deitado diante da porta da igreja em que descansa o corpo de São Francisco, porque não podia andar nem sentar, entrevado da cintura para baixo. Um dia, entrou na igreja e tocou o sepulcro de nosso bem- aventurado pai São Francisco, voltando para fora são e salvo. Contava o próprio rapaz que, estando diante do túmulo do glorioso santo, apareceu-lhe um jovem vestido com o hábito dos frades. Estava em cima do sepulcro e tinha algumas peras nas mãos. Chamou o menino e lhe ofereceu uma pêra, animando-o para se levantar. O menino pegou a pêra de suas mãos e disse: "Sou aleijado e não posso me levantar". Mas comeu a pêra e começou a estender a mão para outra que o jovem lhe oferecia. Este insistiu em que se levantasse, mas o menino, preso pela doença, não se moveu. Então o moço deu-lhe a pêra mas tomou-lhe a mão estendida. Levou-o para fora e desapareceu de seus olhos. Vendo-se curado e incólume, o menino começou a gritar em alta voz, contando a todos o que lhe acontecera.

134. Uma mulher de Coccorano foi levada ao sepulcro do glorioso pai em uma cesta, porque tinha perdido o movimento de todo o corpo, menos o da língua. Demorando-se um pouco diante da tumba do santo, saiu completamente curada.

Também um cidadão de Gúbio levou o filho aleijado numa cesta para o túmulo do santo pai e o recebeu curado e incólume. Fora tão disforme que as pernas, além de grudadas às nádegas, tinham secado de todo.

135. Bartolomeu, um pobre mendigo de Narni, dormiu embaixo de uma nogueira e acordou tão entrevado que não podia andar. A doença foi aumentando sensivelmente: a perna, já com o pé enfraquecido, se encurvou, secou e ele não sentia o corte de uma faca nem queimaduras. Mas São Francisco, que sempre amou de verdade os pobres e foi o pai de todos os indigentes, apareceu-lhe uma noite em sonhos, mandando que fosse tomar banho em determinado lugar, pois lá queria curá-lo, compadecido de todo o seu sofrimento.

A acordar, não sabendo o que fazer, o pobre contou o sonho ao bispo da cidade, que lhe disse para ir depressa ao banho recomendado, e o abençoou. Ele pegou um bastão e tratou de ir para o lugar indicado, da melhor forma que lhe era possível. Caminhava triste e muito cansado pelo esforço, quando ouviu uma voz que lhe dizia: "Vá com a paz do Senhor,eu sou aquele a quem te consagraste". Aproximando-se do lugar já de noite, errou o caminho e ouviu de novo a voz, que o advertiu e o dirigiu para o banho. Quando chegou e entrou no banho, sentiu uma mão no pé e outra na perna, estendendo-a com cuidado. Logo ficou livre, saltoupara fora do banho, louvando e bendizendo a onipotência do Criador e o bem-aventurado Francisco seu servo, que lhe tinha conferido tamanha graça e força. Tinha sido aleijado e mendigo por seis anos, e era de idade avançada.

Cegos que recobraram a vista

136. Uma mulher chamada Sibila, cega havia muitos anos e, por isso, muito triste, foi levada ao sepulcro do homem de Deus. Recuperou a visão e voltou para casa alegre e exultante.

Um cego de Spelo também recuperou a vista, perdida havia muitos anos, diante do sepulcro do corpo glorioso.

Uma mulher de Camerino tinha perdido toda a visão do olho direito. Seus parentes lhe puseram sobre o olho doente um pano que São Francisco tinha tocado e fizeram um voto. Depois deram graças ao Senhor Deus e a São Francisco pela recuperação da vista.

Coisa semelhante sucedeu com uma mulher de Gúbio, que fez um voto e se alegrou com a recuperação da vista.

Um cidadão de Assis, que tinha sido conhecido de São Francisco durante toda a sua vida, perdera a visão havia cinco anos. Rezava sempre ao santo lembrando-lhe sua familiaridade. Tocou seu sepulcro, ficou livre da doença.

Um certo Albertino, de Narni, perdera de uma vez o uso da visão por quase um ano, e suas pálpebras lhe pendiam sobre o rosto. Encomendou-se a São Francisco e ficou imediatamente curado. Tratou então de ir visitar o sepulcro do glorioso santo.

Possessos do demônio

137. Havia um homem em Foligno chamado Pedro. Indo em visita ao santuário de São Miguel Arcanjo, por um voto ou por penitência que lhe tivessem dado pelos pecados, chegou a uma fonte. Com sede pelo cansaço do caminho, foi beber daquela água e sentiu que estava engolindo demônios. Ficou possesso durante três anos, e fazia coisas tão repugnantes de se ver, que nem devem ser contadas. Foi também à tumba do santo pai, apesar de os demônios enfurecidos o maltratarem cruelmente. Quando tocou em seu sepulcro, foi maravilhosamente libertado por um claro e evidente milagre.

138. Uma mulher de Narni, acometida por uma fúria enorme e privada do juizo, fazia coisas horríveis e dizia palavras inconvenientes. Afinal, teve uma visão de Francisco, que lhe disse: "Faz o sinal da cruz".Ela respondeu: "Não posso". E o próprio santo fez-lhe o sinal da cruz, expelindo dela toda paixão da loucura e a fantasia demoníaca.

Muitos outros homens e mulheres, atormentados por suplícios e ilusões do demônio, foram arrancados do seu poder pelos merecimentos do preclaro santo e glorioso pai. Entretanto, como esse tipo de pessoas costuma muitas vezes ser enganado pela falsidade, vamos contar só isso e passar para assuntos mais importantes.

139. Um menino chamado Mateus, da cidade de Todi, esteve oito dias na cama, como morto. Boca completamente cerrada, olhos apagados, com a pele do rosto, mãos e pés preta como fundo de panela, todos tinham desesperado de sua salvação, mas a mãe fez um voto e ele ficou curado com uma rapidez admirável. Vomitou sangue coagulado e até pensavam que estava pondo para fora os intestinos. Mas logo que sua mãe suplicou de joelhos a São Francisco, o menino começou a abrir os olhos, a enxergar, e recuperou a pele de antes, reassumindo as forças e a saúde.

Enfermos libertados da morte. Um inchado, um hidrópico, um artrítico, paralíticos e outros enfermos diversos

Quando ficou melhor, a mãe perguntou: "Quem te curou, meu filho?" Ele respondeu balbuciando: "O Chico, o Chico". Perguntaram: "A quem tens que agradecer?" Respondeu outra vez: "Ao Chico, ao Chico". Era muito pequeno e não sabia falar direito, por isso falava o nome de São Francisco de modo truncado.

140. Um moço estava em um lugar muito alto e caiu lá de cima, perdendo a fala e todo o movimento dos membros. Passou três dias sem comer nem beber, sem sentir coisa alguma: parecia ter morrido. Sua mãe, deixando de lado os médicos, pedia a São Francisco que o salvasse. Fez um voto, recebeu-o vivo e incólume, e se pôs a louvar a onipotência do Salvador.

Um outro, chamado Mancino, teve uma doença mortal e foi desenganado por todos, mas invocou o nome do bem-aventurado Francisco e imediatamente começou a convalescer.

Um menino de Arezzo, chamado Válter, tinha febres constantes e era atormentado por dois tumores. Foi desenganado pelos médicos mas os pais fizeram uma promessa a São Francisco e ele recobrou a saúde.

Um outro estava à morte e ficou imediatamente livre de toda doença quando lhe fizeram uma imagem de cera, e ainda antes de acabá-la.

141. Uma mulher que estava de cama havia muitos anos, sem poder mexer-se ou se virar, consagrou-se a Deus e a São Francisco. Ficou livre de toda doença e voltou a dar conta de seus afazeres.

Em Narni, havia uma mulher que tinha uma das mãos ressequida havia oito anos, e nada podia fazer com ela. Um dia, nosso pai São Francisco apareceu-lhe numa visão, e lhe curou a mão, deixando-a tão boa quanto a outra.

Um moço da mesma cidade estava doente havia dez anos, todo inchado, sem encontrar remédio que lhe servisse. Pelos méritos de São Francisco, por um voto feito por sua mãe, obteve imediatamente a recuperação da saúde.

Em Fano, havia um hidrópico com os membros horrivelmente inchados. Pelos méritos de São Francisco, conseguiu ficar inteiramente livre da doença.

Um cidadão de Todi estava tão atacado de gota artrítica que não podia sentar-se nem descansar de maneira alguma. Esse mal lhe causava tamanhos calafrios que já parecia liquidado. Consultou médicos, tomou todo tipo de banhos e remédios, mas não conseguiu nenhum alívio. Um dia, na presença de um sacerdote, fez um voto para que São Francisco lhe restituísse a antiga saúde. Foi só fazer as orações ao santo e logo se viu são como antigamente.

142. Uma paralítica de Gúbio invocou três vezes São Francisco, ficou livre da doença e curada.

Um certo Bontadoso sofria muito com uma doença nos pés e nas mãos: não podia se mover nem se virar para lado algum, e já não comia nem dormia. Um dia, foi visitá-lo uma mulher e o aconselhou a se recomendar com devoção a São Francisco se quisesse ficar curado bem depressa. Fora de si pelo sofrimento, respondeu-lhe o doente: "Não acredito que ele seja santo". Mas a mulher persistiu em seu conselho e ele acabou dizendo: "Eu me consagrarei a São Francisco e acreditarei que ele é santo se me livrar desta doença dentro de três dias". Pelos méritos do santo de Deus ficou logo curado, podendo andar, comer e dormir, dando glória a Deus todo- poderoso.

143. Um homem tinha sido ferido gravemente por uma flecha de ferro que penetrara pelo olho e estava encravada na cabeça. Os médicos não podiam fazer nada e ele se recomendou com súplice devoção a São Francisco, esperando ficar livre por sua intercessão. Tendo deitado um pouco e dormido, São Francisco lhe disse em sonhos que devia tirar a flecha por trás da cabeça. Isso foi feito no dia seguinte, e ele ficou livre sem grande dificuldade.

144. Imperador, um homem do povoado de Spelo, sofria havia dois anos de uma hérnia grave, pois os intestinos lhe saiam para fora. Não conseguindo colocá-los para dentro por muito tempo, nem acertar seu lugar, precisava andar com uma almofada amarrada. Recorreu aos médicos, procurando alívio, mas pediam um preço que não podia pagar, pois sequer tinha como sustentar-se por um dia, e desanimou de uma vez da medicina. Voltou-se para o auxílio divino e começou a invocar São Francisco na rua, em casa e onde quer que estivesse. Dentro de pouco tempo, pela graça de Deus e os merecimentos de São Francisco, recobrou toda a saúde.

145. Um de nossos frades, na Marca de Ancona, tinha uma fístula de tal gravidade nas ilhargas ou nas costas, que todos os médicos já tinham desistido de tratá-lo. Pediu então licença ao seu ministro para ir visitar o túmulo do santo pai, achando que conseguiria a graça da cura pela fé nos merecimentos do santo. Mas o ministro não deixou, temendo que por causa da neve e das chuvas daquele tempo o frade viesse a piorar pelo cansaço da viagem. Estando o frade um tanto perturbado por não ter conseguido a licença, apareceu-lhe uma noite São Francisco e lhe disse: "Filho, não te perturbes mais com isso, tira as peles que estás vestindo, e joga fora o emplastro e as ataduras. Observa tua Regra e serás libertado". Ao levantar-se, de manhã, obedeceu ao que lhe tinha sido mandado e pôde agradecer a Deus pela cura repentina.

Leprosos curados

146. Havia em São Severino, na Marca de Ancona, um moço chamado Acto, que estava todo atacado de chagas e, segundo os médicos, era tido por todos como um leproso. Todos os seus membros tinham se entumescido e inchado e, devido à inflamação das veias, tinha uma estranha visão de todas as coisas. Como não podia andar, passava miseravelmente o tempo todo no seu leito de dores, com imensa amargura e tristeza dos pais, especialmente do pai, que já não sabia mais o que fazer. Até que teve a idéia de consagrá-lo totalmente a São Francisco e disse ao filho: "Meu filho, não te queres consagrar a São Francisco, que em toda parte está fazendo tantos milagres, para que ele te liberte dessa doença?" Respondeu: "Quero, pai". Imediatamente o pai mandou buscar papiro e tomou as medidas da altura e da cintura do filho, dizendo: "Levanta-te, filho, e te consagra a São Francisco, e quando ele te curar, tu lhe levarás cada ano, durante a tua vida, uma vela da tua altura". Ele obedeceu, levantou-se, juntou as mãos e começou a suplicar a misericórdia de São Francisco. Feita a medida no papiro e concluída a oração, o rapaz ficou imediatamente curado da lepra. Levantou-se e começou a caminhar todo feliz, dando glória a Deus.

Um moço de Fano, conhecido por Bom Homem, era tido por todos os médicos como paralítico e leproso. Foi devotamente consagrado por seus pais a São Francisco e, limpo da lepra e livre da paralisia, obteve cura total.

Surdos e mudos

147. No povoado de Pieve, havia um menino paupérrimo e mendigo, completamente surdo e mudo de nascença. Tinha a língua tão curta e reduzida que muitos que a examinaram acharam que tinha sido cortada. Uma tarde foi à casa de um conterrâneo chamado Marcos e lhe pediu pousada por sinais, como costumam fazer os mudos. Inclinando a cabeça para o lado, com as mãos embaixo do queixo, dava a entender que queria pernoitar em sua casa. O homem recebeu-o com alegria e o manteve consigo de boa vontade, porque sabia que aquele moço era um serviçal competente, rapaz de bom caráter que, apesar de surdo e mudo desde o berço, entendia todas as ordens por sinais. Uma noite, o homem jantava com sua esposa e, estando o rapaz presente, disse à mulher: "Acho que seria o maior milagre se São Francisco lhe desse o ouvido e a fala".

148. E acrescentou: "Prometo ao Senhor Deus que, se São Francisco se dignar fazer isso, por amor dele terei especial afeto para com este menino e lhe pagarei todas as despesas por toda a sua vida".

Foi espantoso. Mal acabara de fazer a promessa, o rapaz exclamou: "Viva São Francisco!" E, olhando para cima, acrescentou: "Estou vendo São Francisco de pé aí em cima. Veio para me dar a fala". E perguntou: "Que vou dizer para todo mundo?" Respondeu Marcos: "Louve a Deus que assim você vai salvar muitas pessoas".

Ele se levantou, muito alegre e exultante, e proclamou diante de todos o que tinha acontecido. Acorreram todos os que sabiam que ele era mudo e, cheios de admiração e espanto, renderam suplicantes seus louvores a Deus e a São Francisco. A língua do rapaz tinha crescido e se tornado boa para falar, e ele já começou a dizer as palavras com correção, como se sempre tivesse falado.

149. Um outro moço, chamado Vila, não podia falar nem andar. Sua mãe fez uma promessa e foi, cheia de devoção, levar uma imagem de cera ao túmulo de São Francisco. Quando voltou para casa, encontrou o filho andando e falando.

Um homem da diocese de Perusa, completamente mudo, vivia angustiado porque tinha que andar sempre de boca aberta, bocejando horrivelmente, com a garganta inchada e inflamada. Foi ao lugar em que descansava o santo corpo e estava subindo os degraus de seu túmulo quando vomitou muito sangue. Completamente curado, começou a falar e a fechar a boca normalmente.

150. Uma mulher tinha um mal de garganta tão grande que, pelo muito ardor, a língua estava seca e grudada no céu da boca. Não podia falar, nem comer e beber, e não conseguia alívio nenhum com todos os emplastros e remédios que tomava. Finalmente, consagrou-se a São Francisco em seu coração, pois não podia falar. De repente, abriu-se-lhe a carne e saiu de sua garganta uma pedra redonda, que ela pegou nas mãos e mostrou, ficando logo curada.

No povoado de Greccio, havia um moço que tinha perdido a audição, a memória e a fala, e não compreendia nem sentia nada. Seus pais, que tinham muita fé em São Francisco, consagraram-lhe suplicantes o rapaz. Foi só terminar a oração e, por graça do santo e glorioso pai Francisco, recebeu ao mesmo tempo todos os sentidos que lhe faziam falta.

Para louvor, glória e honra de Nosso Senhor Jesus Cristo, cujo reino e império permanecerá firme e estável por todos os séculos dos séculos. Amém.

Fim

(Epílogo)

151. Falamos pouca coisa dos milagres de São Francisco, omitindo a maior parte. Deixamos aos que querem seguir os seus passos que busquem a graça de nova bênção, para que aquele que pela palavra e o exemplo, pela vida e pela doutrina, renovou gloriosamente o mundo inteiro, também se digne sempre derramar novas chuvas de graças celestiais sobre os que amam o nome de Deus.

Peço a todos os que lerem este livro, ou o virem ou ouvirem, que, por amor do pobre Crucificado e por seus sagrados estigmas, que nosso pai São Francisco levou em seu corpo, lembrem-se diante de Deus de mim que sou pecador. Amém.

Bênção, honra e todo louvor sejam dados só a Deus que é sábio, e que para sua glória sempre realiza com sabedoria todas as coisas em todas as pessoas. Amém. Amém. Amém.